Cine Café – Filme Faroeste Caboclo homenageia Tarantino

maio 31, 2013



Colocar uma das músicas mais famosas do rock nacional nas telonas não seria uma tarefa fácil. E realmente não foi. Abusando da liberdade poética e carregando a mão na crítica social, o filme Faroeste Caboclo – baseado na música da banda Legião Urbana, criada por Renato Russo, foge um pouco da história original, omite cenas, aprofunda outros pontos, homenageia de forma explícita Quentin Tarantino e, por incrível que pareça, mostra um roteiro seguro e verossímil.

A saga de João de Santo Cristo que saiu da miséria do interior da Bahia e foi para Brasília-DF atravessou gerações e mostra que, apesar de vivermos em contexto completamente diferente, as drogas, a rebeldia e a gritante diferença social (e cultural) da nossa sociedade continuam. Chega a ser perturbador ver tanta cena de consumo explícito de drogas e o quanto burguesia faz questão de “tampar o sol com a peneira” diante dos problemas, da sua juventude sem limite e alienada. Assista o trailer:



O diretor René Sampaio foi ousado em trazer elementos de Tarantino para um filme nacional, tais como a vingança, os filtros nas cenas, as cores e o realismo visceral das obras do diretor norte-americano. É interessante ver nas telonas a capital federal sendo retratada de maneira urbana, reflexiva e o quanto o seu planejamento deixou a sua população tão segmentada entre as classes. Tudo bem que o filme se passa no final da década de 1970 e início dos anos 1980, mas é possível perceber elementos atuais e de crítica à nossa juventude que viveu o “boom” da sua fase sexo, drogas e rock in roll.

As referências colocadas no filme Faroeste Caboclo – e até pelo fato do protagonista ser um anti-herói negro, lembram muito o filme Django, de Tarantino, lançado no início deste ano e vencedor do Oscar. João de Santo Cristo é um anti-herói negro brasileiro, alguém que saiu da pobreza extrema do interior, que viu o pais morrerem pela desigualdade social e encontrou na vingança (e porque não dizer no tráfico de drogas) uma espécie de justiça social.
Isis Valverde interpreta a mocinha Maria Lúcia e
Fabrício Boliveira faz o protagonista do filme Faraoeste Caboclo.

Fabrício Boliveira, Isis Valverde e Felipe Abib estão muito bem em cena e conseguiram – cada um a sua forma, construir personagens fortes que em nada lembram trabalhos anteriores. Os atores Fabrício Boliveira – que vive João de Santo Cristo, passa tanta verdade nos olhos e no gesticular, que impressiona; e Isis Valverde faz uma mocinha que se posiciona e não fica apenas sofrendo diante das situações.

Felipe Abib, que interpreta Jeremias, o antagonista da história, nos surpreende por se mostrar capaz de fazer personagens densos e dramáticos, se preocupando em construir uma figura completamente diferente a cada personagem, seja no físico, no gesticular ou até mesmo na fala. O ator, que veio da comédia, construiu um Jeremias bem próximo da realidade, cheio de traços psicóticos, narcisistas e completamente tresloucado. É, sem dúvida, um dos seus melhores papeis até hoje, diga-se de passagem.
O ator Felipe Abib interpreta o vilão Jeremias no filme Faraoeste Caboclo.

Os roteiristas Marcos Bernstein e Victor Atherino fizeram um roteiro bem amarrado. Souberam colocar de forma correta os flashbacks a ponto do público conseguir entender o passado e o presente da história. Também conseguiram injetar romance e drama, na forma como conduziu a apresentação de personagens essencialmente importantes como Pablo, Maria Lúcia e Jeremias. As referências à Django de Tarantino são tantas que chega em uma parte do filme que o espectador torce para João tocar fogo na casa de Jeremias ou pelo menos ter uma passagem digna de revanche.

Mas, “João de Santo Cristo era santo porque sabia morrer”, já cantava Renato Russo. E o público já sabe que o final da história não é feliz como em Django. João morreu em um duelo com todos os elementos possíveis de um bom western. Talvez, o maior equívoco do filme, foi quando os roteiristas optaram por omitir aquilo que poderia ser uma das tantas críticas que a letra carrega: o sensacionalismo da cobertura jornalística.
Os atores César Troncoso e Fabrício Boliveira interpretam
Pablo e João de Santo Cristo, respectivamente, no filme. 

João era bandido conhecido na cidade e o duelo foi televisionado, como canta a letra da música. No filme, não houve nada disso: nem repórter de TV, nem sorveteiro, nem o povo aplaudindo. Optou-se por um final shakespeariano onde João, Maria Lúcia e Jeremias morrem, numa espécie de redenção, sem ninguém ver. Não foi sem sentido, mas fugiu da letra original. Para quem esperava ver um clipe transformado em filme se decepcionou ou se entusiasmou. O nível do cinema brasileiro melhorou.
  



Fotos: Europa Filmes / Divulgação.





Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.





Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

9 comentários

  1. Francisco Bertoletta31 de mai de 2013 15:01:00

    Wander, assisti Django depois que li uma resenha do filme aqui no seu blog e estava aguardando uma crítica sua sobre Faraoeste Caboclo. Concordo contigo na homenagem e num outro momento do cinema brasileiro de leitura da sua própria história e o mais importante de homenagem à Renato Russo, um dos mais talentosos letristra do Brasil. Parabéns pelo texto. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Quero muito assistir esse filme e acho que você escreveu coisas que ainda não tinha lido sobre o filme, muito bom. Já assisti uma peça do Felipe Abib há muitos anos atrás. Ele é um ótimo ator!

    ResponderExcluir
  3. Vi o filme e não gostei. O caro mudou a música inteira e ficou muito tosco. Pode até ter homenageado o Tarantino, mas eu ainda ia preferir que o filme seguisse a letra da música.

    ResponderExcluir
  4. Hi! My name is Ben Wisley. Regularly visit your blog. I have friends in Brazil who have recommended his work. It's very good read a review of Brazilian film that tribute Quentin Tarantino. The cinema has no borders. Congratulations on the blog.

    ResponderExcluir
  5. Vou ver se vejo este filme no final de semana com os meus filhos. Gosto muito do trabalho da Isis Valverde, ela é uma atriz que está evoluindo a cada trabalho.

    ResponderExcluir
  6. Assisti ao filme ontem e sua crítica confirma muito bem minha opinião sobre a trama: ah se tivessem colocado uma cena da cobertura jornalística do duelo!

    ResponderExcluir
  7. Amigo, ótima crítica, bem argumentada demais. Como um um legionário convicto vou assistir o filme amanhã. Vou falar do filme nesta tarde aqui na BandNews, vou falar da sua análise. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Bom texto, mas o filme não é uma homenagem a Quentin Tarantino, mas ao gênero westen. Os elementos que você aponta como característicos do cinema do Tarantino, tem origem principalmente nos westens spaguetti, de diretores como Sergio Leone. A semelhança entre Faroeste Caboclo e os filmes de Tarantino existem porque Tarantino já costuma homenagear os antigos westens.

    ResponderExcluir
  9. Achei esse filme um espetáculo! Renato Russo está muito bem representado nos cinemas com Faroeste e Somos Tão Jovens.
    Fiquei ainda mais feliz quando o pessoal só saiu do cinema após o encerramento da música. Respeito total!

    ResponderExcluir