Manifestações simultâneas marcam ativismo social em BH

março 16, 2013

Foto: Renato Cobucci / Hoje em Dia / Reprodução.


De um lado de Belo Horizonte, um grupo de pessoas protestando de forma pacífica e cultural contra a poda de árvores centenárias na praça Bernardo Monteiro. Do outro, um grupo manifestando contra o pastor e deputado federal racista e homofóbico, Marco Feliciano (PSC-SP), que assumiu a presidência da Comissão dos Direitos Humanos na Câmara dos Deputados, em Brasília-DF, não por ideologia, mas por “governabilidade” dos partidos da base aliada.

Ainda, em outro ponto, mais precisamente na Rodoviária, no centro de BH, familiares e amigos do engenheiro químico Gabriel Camargos, 25 anos, que foi assassinado brutalmente dentro de um ônibus da Viação Gardênia, no final de semana passado, manifestaram contra a falta de segurança nos ônibus de viagem em Minas Gerais e colhiam assinatura das pessoas para o Projeto de Lei Gabriel Camargos que vai cobrar das empresas de transporte mais segurança para os passageiros.

De uma população que já foi acusada de omissa, o belo-horizontino está mostrando ao Poder Público o quanto está descontente com o tratamento que vem recebendo: vai às ruas cobrar soluções para os problemas e mais participação popular. E isso é fantástico! Assim que começa uma revolução. Revolução de ideias, pensamentos e ações.

Este sábado, 16 de março de 2013, vai ficar marcado como um ponto de eco para algumas questões que estão incomodando a população de BH e que poderiam se juntar a inúmeras outras, como a questão do transporte público e mobilidade urbana que a administração municipal parece fazer vistas grossas e não admite os erros e a falta de diálogo com o cidadão.
Foto: Renato Cobucci / Hoje em Dia / Reprodução.

Como belo-horizontino, confesso que fiquei orgulhoso de ver nos noticiários a população se organizando nas redes sociais e indo para as ruas manifestar, cobrar soluções e um canal mais aberto com o Governo. A população não está mais submissa aos mandos e desmandos de alguns políticos. Mesmo não tendo o resultado esperado de renovação na administração municipal no executivo e no legislativo na última eleição, o povo está protestando, mobilizando nas redes sociais e indo para as ruas, querendo mais ações, e menos discurso.

Os críticos de plantão podem apontar que estas manifestações levaram poucas pessoas – em torno de duzentas cada uma, mas já é um grande avanço. Avanço, principalmente, porque a mídia tradicional resolveu cobrir estes protestos e ajudar a dar um alcance muito maior ao debate que, durante toda semana, ficou restrito às redes sociais.

A internet já é uma realidade de milhões brasileiros – principalmente via celular, mas nem todas as pessoas a usam com a mesma finalidade. E isso é errado? Não. Cada um é livre para fazer o que quiser. Quando um amigo compartilha um ato de protesto com outro, a chance de tocá-lo aumenta, mas não garante 100% de engajamento. Por isso é tão importante ir às ruas. A chance de tocar outras pessoas e de chamar a atenção da mídia de forma presencial é sempre mais envolvente, porque é real, e não mais virtual.
Foto: Euler Junior / DA Press / Estado de Minas / Reprodução.

Por exemplo, nas eleições municipais do ano passado – por conta da Lei eleitoral e da linha editorial de alguns veículos locais, pouco ou quase nada se falou dos inúmeros movimentos contra o prefeito e alguns vereadores que foram criados em Belo Horizonte. Nas redes sociais, esses movimentos conseguiram reunir um número expressivo de pessoas descontente com a forma com que os partidos estavam negociando a sua permanência no Poder, organizando passeatas e manifestações pelo centro da capital mineira. O mais bacana que muitos desses movimentos não estavam ligados a partidos.

Eram pessoas comuns, estudantes e profissionais de diversas áreas, que estavam (e ainda estão) descontente com a falta de diálogo entre Poder Público e sociedade. Neste sábado (16/03), o belo-horizontino deu um show de ativismo. Mostrou que Política é ação, engajamento e mudança. Coisa que está faltando em muito político por aí, diga-se de passagem. BH não está calada! Mudar para transformar. Esta é a nova onda. #Mobilize




Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.




Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

5 comentários

  1. Francisco Bertoletta17 de mar de 2013 00:33:00

    Como belo-horizontino também fico orgulhoso de ver a população na rua manifestando sob pautas diversas sobre coisas urgentes que já deveriam ser reivindicadas há tempos. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  2. A população de BH está certíssima em ir para as ruas. Temos sempre que mostrar para os políticos que eles trabalham para a gente e não ao contrário.

    ResponderExcluir
  3. Acho um absurdo cortarem as árvores centenárias da av. Bernardo Monteiro. Aquilo dali é um patrimônio de BH....tem que ser muito espírito de porco para podar uma árvore dessa e dar a desculpa que é por causa de mosquito que traz doença para a planta. Poupe-me! Ainda bem que tem gente que não fica calada.

    ResponderExcluir
  4. A história desse moço que morreu assassinado no ônibus é chocante. Tomara que o pessoal consiga mesmo fazer esse projeto de lei. Realmente, as estradas tem segurança zero.

    ResponderExcluir
  5. BH está dando exemplo para muita cidade que tem políticos ruins, mas não vai para as ruas. Sábado mega politizado...quem dera que a minha cidade tivesse isso.

    ResponderExcluir