Greve da PM na Bahia mostra resistência do Governo em estabelecer o diálogo

fevereiro 04, 2012

Foto: Blog do Anderson.


Desde terça-feira (31/01), após uma assembleia realizada entre representantes sindicais, parte da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros  optaram por iniciar uma greve geral na Bahia. O motivo da greve se deve ao fato do governador Jaques Wagner (PT) estar irredutível às reinvindicações dos militares que querem reajuste salarial, cumprimento das gratificações e anistia dos militares. No dia em que a greve foi deflagrada, Wagner estava em Cuba com a presidente Dilma Roussef (PT). Clique aqui e confira o artigo do blogueiro Jaime Guimarães, do Grooeland, para se inteirar ainda mais sobre o assunto.

Com a greve, o caos se instalou e ondas de violência não param de acontecer na Bahia, o que está deixando a população temerosa e, provavelmente, afastará os turistas da pré-temporada de Carnaval. Além disso, um boato de arrastão se espalhou pela cidade, fazendo com que comerciantes fechassem as portas até que a situação seja normalizada. Em Salvador, muitos moradores estão evitando sair de casa por conta da onda de assaltos, assassinatos e arrombamentos. Clique aqui e veja mais detalhes na reportagem de Mauro Anchieta para o Jornal Nacional.

Segundo um balanço divulgado pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), somente entre a meia-noite de sexta-feira (03/02) e às 6h deste sábado (04/02) 29 pessoas foram vítimas de homicídios em Salvador e região metropolitana. Desses, 28 mortes ocorreram apenas na sexta-feira, além de dez tentativas de assassinato. Para ajudar na segurança pública, o Ministério da Defesa deslocou homens das Forças Armadas para a Bahia. Além disso, Tropas do Exército foram deslocadas do Recife para Salvador.
Foto: Roberto Viana/Bocão News.

Nesta quinta-feira (02/02), o juiz Ruy Eduardo Brito, da 6ª Vara da Fazenda Pública, considerou a paralisação irregular. Ele determina a imediata retomada das atividades pelos policiais vinculados à Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra), que decretaram greve. A multa estipulada para os policiais parados que não assumirem seus postos de trabalho é de R$ 80 mil.

Na manhã de sexta-feira (03/02), os rodoviários da cidade de Feira de Santana, a 100 Km de Salvador, na Bahia, anunciaram outra greve. De acordo com o Sindicato, motoristas e cobradores só retornarão ao trabalho se o Governo da Bahia garantir a segurança do transporte público de trabalhadores e usuários. Informações extraoficiais, dão conta que a cidade viveu dias de terror com ondas de assaltos, arrastões e violência, o que teria motivado a greve dos rodoviários.

Opinião

Mais do que buscar soluções emergenciais para conter a onda de violência e terror que tomou conta das cidades baianas por conta da greve da PM, o governo estadual deveria ser um pouco mais maleável e sensível para que a situação não chegasse ao ponto que chegou.
Homens da Polícia do Exército circulam pelas ruas de Salvador.
Foto: Divulgação/Adenilson Nunes/Secom.

Não é a primeira vez que vemos a notícia de uma greve de policiais militares no Brasil em busca de melhores condições de trabalho. É hora dos nossos governantes começarem a valorizar mais os trabalhadores do serviço público – principalmente aqueles que lidam diretamente com o público e com a segurança social. O diálogo também faz parte da democracia para que, desse modo, consigamos o “império da lei”.


- Atualizado às 16h20, do dia 05/02/2012:

Sabe quando você recebe um comentário tão bom que renderia um post? Pois bem, hoje recebi um assim do Jaime Guimarães, que é um leitor antigo do blog e mora em Salvador. Ele, assim como a minha amiga Sil, estão vivendo este drama da Greve da PM de perto. O comentário de Jaime é cheio de dados e vale como complemento deste post. Por isso, resolvi reproduzi-lo aqui também. O texto segue abaixo:
Wander, como você sabe moro em Salvador e posso dizer um pouco sobre essa greve da PM.
Sim, é verdade que há maus policiais que resolveram utilizar a tática do "tocar o terror" na cidade. Mas isso não isenta a responsabilidade do governo Jaques Wagner neste processo - o governo da Bahia tratou a greve com desdém e arrogância desde o inicio.
No dia 01/02, na quarta-feira, o movimento ainda era pequeno, quase isolado, restrito a uma associação da PM. Mesmo assim "onde há fumaça, há fogo" e o governo da Bahia, na pessoa do vice-governador Otto Alencar ( já que Wagner estava em Cuba com a presidente Dilma Rousseff) afirmou que "tudo estava sob controle" de acordo com informações do comandante da PM e do secretário de segurança pública - que chegou a dizer que não negociaria com grevistas.
No dia 02/02, no final da tarde, o caos explodiu na capital baiana. Sim, tivemos muitos boatos, mas também muitos arrastões e saques em lojas confirmados. Vias importantes foram fechadas por manifestantes - daquele modo lamentável como visto em fotos divulgadas na imprensa. No período entre 1h e 6h da madrugada de quinta para sexta, foram contabilizados 17 assassinatos na cidade.
Todos foram afetados. As escolas da rede pública, onde o ano letivo ainda não começou para os alunos mas estava acontecendo a jornada pedagógica para professores, ficaram de portas fechadas. Em uma escola onde eu leciono à noite não houve jornada para zelar por nossa segurança. E, de fato, um supermercado próximo à escola foi saqueado e um músico do Olodum foi assassinado - tudo isso no bairro da periferia onde tenho uma carga horária.
O governo da Bahia só foi agir no dia 03/02, na sexta-feira, quando 10 mil policiais aderiram à greve e poderia ter sido pior, pois a Polícia Civil da Bahia realizou assembleia ( já marcada há algum tempo, não foi oportunismo) e decidiu não entrar em greve, mas já fez pauta de reivindicações para o governo - e nossa assembleia está marcada para Março. Assim chegaram homens das forças armadas e só na noite do dia 03/02 o governador Jaques Wagner resolveu aparecer para um pronunciamento sobre a situação. "Contem com o seu governador", disse. Por que tão tarde?
Hoje, dia 04/02, as coisas estão mais tranquilas, ao menos em Salvador. Mas ontem, em Feira de Santana, a cidade parou, literalmente: NADA funcionou. Ônibus, faculdades, comércio, tudo com portas fechadas.
Infelizmente o governo Jaques Wagner aqui na Bahia está sendo muito ruim. A segurança pública na Bahia é um problema crônico e não consegue proteger o cidadão - todos os dias temos notícias de "faroeste" com bandidos fechando as cidades do interior e assaltando bancos - e, claro que oportunistas e partidarismos aparecem nesta hora. Mas a verdade é que o governo foi omisso ao lidar com essa greve. Desdenhou, subestimou e a coisa chegou a este ponto.
Ah, enquanto isso, o prefeito de Salvador continua viajando. Andou por Madrid, Rio de Janeiro e de vez em quando passa pela capital baiana - que está cada dia mais abandonada, suja, decadente. É uma bela cidade, mas ultimamente...deixa muito a desejar.
Um abraço e parabéns pela postagem! Infelizmente tenho visto muitas pessoas tratando a situação com partidarismos e não aceitando críticas à atuação do governador - em um destes blogs ditos "progressistas" não tive comentário liberado. Entendo que a blogosfera e a internet estimulam a liberdade de expressão e o debate, mas o espírito crítico, infelizmente, ainda precisa ser praticado com maior intensidade.
Um abraço e obrigado por tratar do assunto com extrema lucidez! 



Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.




Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

9 comentários

  1. Querido Wander, gostaria de agradecer imensamente a você em nome de todos os baianos por se importar com a dor e agonia que vivemos neste momento. De fato o governador Wagner tem sido irredutível no que diz respeito ao diálogo com os servidores públicos sejam eles da segurança ou educação. É muito triste ver o que está acontecendo aqui em nosso estado, posso te falar por que estou acompanhado e vivenciando essa tragédia. Aqui na minha cidade o comércio baixou as portas desde a terça-feira e ninguém ousa sair de casa a menos que seja algo muito importante. Hoje as lojas voltaram a funcionar mas com restrições.
    O governador foi eleito com uma vasta maioria de votos do servidor público que acreditou que ele seria sensível as suas reenvindicações o que não aconteceu. É uma pena que a esquerda que tanto batalhou para derrubar Antonio Carlos Magalhães hoje tenha a mesma postura que ele quiçá pior que a dele.
    Lamentamos muito tudo o que está acontecendo aqui e repudiamos a postura do nosso então governador que esperamos não se reeleja.
    Abraço meu amigo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Sil! Obrigado pelo comentário, minha amiga. Não precisa agradecer. Faço os posts do Café com carinho e na esperança de ajudar na conscientização de alguns debates. Publiquei esta pauta não só pelo lance jornalístico do fato, mas principalmente pelo humano. Estou muito preocupado com o que está acontecendo aí na Bahia. Confesso que me aprofundei no assunto ontem de manhã, até pq os jornais do sudeste não estavam dando, até então, a importância que o fato merece. É um problema grande de segurança público e de respeito às reivindicações dos servidores. Estou aqui na torcida para que tudo se resolva da melhor forma. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Francisco Bertoletta4 de fev de 2012 14:43:00

    É revoltante ver que o governador da Bahia deixou a situação chegar aonde chegou porque não queria dialogar com os Policiais. Isso é um absurdo! Com isso o povo é que paga o pato.

    ResponderExcluir
  4. Ei Wander! Também estou chocada com a situação da Bahia. Gente, que absurdo. Será que esse governador não pode ser expulso do cargo? O mais engraçado é que ele joga a culpa da greve nos policiais. Poupe-me. Querido, parabéns pela abordagem lúcida que você fez sobre o caso. Beijos

    ResponderExcluir
  5. Entendo a pressão dos PMs com a greve, mas o foda é que a população está pagando um preço alto demais por estas reivindicações. E, para piorar, o governador tem a sua parcela de culpa.

    ResponderExcluir
  6. Pelo jeito que a banda está tocando na Bahia, a greve dos PMs vai melar o Carnaval. Quem é doido de viajar para lá? Desrespeito total aos moradores e turistas.

    ResponderExcluir
  7. Wander, como você sabe moro em Salvador e posso dizer um pouco sobre essa greve da PM.

    Sim, é verdade que há maus policiais que resolveram utilizar a tática do "tocar o terror" na cidade. Mas isso não isenta a responsabilidade do governo Jaques Wagner neste processo - o governo da Bahia tratou a greve com desdém e arrogância desde o inicio.

    No dia 01/02, na quarta-feira, o movimento ainda era pequeno, quase isolado, restrito a uma associação da PM. Mesmo assim "onde há fumaça, há fogo" e o governo da Bahia, na pessoa do vice-governador Otto Alencar ( já que Wagner estava em Cuba com a presidente Dilma Rousseff) afirmou que "tudo estava sob controle" de acordo com informações do comandante da PM e do secretário de segurança pública - que chegou a dizer que não negociaria com grevistas.

    No dia 02/02, no final da tarde, o caos explodiu na capital baiana. Sim, tivemos muitos boatos, mas também muitos arrastões e saques em lojas confirmados. Vias importantes foram fechadas por manifestantes - daquele modo lamentável como visto em fotos divulgadas na imprensa. No período entre 1h e 6h da madrugada de quinta para sexta, foram contabilizados 17 assassinatos na cidade.

    Todos foram afetados. As escolas da rede pública, onde o ano letivo ainda não começou para os alunos mas estava acontecendo a jornada pedagógica para professores, ficaram de portas fechadas. Em uma escola onde eu leciono à noite não houve jornada para zelar por nossa segurança. E, de fato, um supermercado próximo à escola foi saqueado e um músico do Olodum foi assassinado - tudo isso no bairro da periferia onde tenho uma carga horária.

    O governo da Bahia só foi agir no dia 03/02, na sexta-feira, quando 10 mil policiais aderiram à greve e poderia ter sido pior, pois a Polícia Civil da Bahia realizou assembleia ( já marcada há algum tempo, não foi oportunismo) e decidiu não entrar em greve, mas já fez pauta de reivindicações para o governo - e nossa assembleia está marcada para Março. Assim chegaram homens das forças armadas e só na noite do dia 03/02 o governador Jaques Wagner resolveu aparecer para um pronunciamento sobre a situação. "Contem com o seu governador", disse. Por que tão tarde?

    Hoje, dia 04/02, as coisas estão mais tranquilas, ao menos em Salvador. Mas ontem, em Feira de Santana, a cidade parou, literalmente: NADA funcionou. Ônibus, faculdades, comércio, tudo com portas fechadas.

    Infelizmente o governo Jaques Wagner aqui na Bahia está sendo muito ruim. A segurança pública na Bahia é um problema crônico e não consegue proteger o cidadão - todos os dias temos notícias de "faroeste" com bandidos fechando as cidades do interior e assaltando bancos - e, claro que oportunistas e partidarismos aparecem nesta hora. Mas a verdade é que o governo foi omisso ao lidar com essa greve. Desdenhou, subestimou e a coisa chegou a este ponto.

    Ah, enquanto isso, o prefeito de Salvador continua viajando. Andou por Madrid, Rio de Janeiro e de vez em quando passa pela capital baiana - que está cada dia mais abandonada, suja, decadente. É uma bela cidade, mas ultimamente...deixa muito a desejar.

    Um abraço e parabéns pela postagem! Infelizmente tenho visto muitas pessoas tratando a situação com partidarismos e não aceitando críticas à atuação do governador - em um destes blogs ditos "progressistas" não tive comentário liberado. Entendo que a blogosfera e a internet estimulam a liberdade de expressão e o debate, mas o espírito crítico, infelizmente, ainda precisa ser praticado com maior intensidade.

    Um abraço e obrigado por tratar do assunto com extrema lucidez!

    ResponderExcluir
  8. Oi Jaime! Adorei o seu comentário, de verdade. Gostei tanto que tomei a liberdade de acrescentá-lo no post porque é o relato de quem está vivendo de perto esta situação e soma muito a produção jornalística. Infelizmente, a "imprensa tradicional" (e alguns blogs/sites também) é limitada na crítica política em diversos estados brasileiros, muito por conta da ditadura da publicidade e do poder político em questão. Ainda bem que existe as redes sociais para dar voz aos anseios da sociedade. Eu que agradeço por sempre prestigiar o Café com Notícias, desde o início. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  9. Wander, muito obrigado por publicar o meu comentário e por complementá-lo ao seu post. Felizmente as redes sociais estão aí para que possamos expressar livremente - sempre com responsabilidade, é claro. Por isso todo cuidado é pouco com SOPA, ACTA e Lei Azeredo.

    Os links abaixo corroboram com o que eu escrevi, caso alguém queira contestar. Os demais relatos partiram através da observação do que vem acontecendo na cidade e com informações de emissoras de rádio e mídias locais:

    http://www.tribunadabahia.com.br/news.php?idAtual=104951 ( quando o comando da PM afirmou não haver paralisação)

    http://www.atarde.com.br/cidades/noticia.jsf?id=5805992&t=Justica+decreta+ilegalidade+da+greve+da+policia ( um breve histórico de como a greve iniciou)

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1042740-governo-da-ba-minimiza-greve-de-pms-avenida-tem-arrastao.shtml ( a declaração do vice-governador da Bahia sobre a situação estar "sob controle")

    Grande abraço e parabéns mais uma vez!

    ResponderExcluir