Café Literário – Psicose, clássicos da literatura e livros como decoração

agosto 22, 2013


Bem-vindo ao Café Literário, a sua dose semanal de literatura! Nesta temporada, a seção está sob os cuidados do escritor em formação, apaixonado por literatura e autor do blog Escriba Encapuzado, Tiago K. Pereira*, novo colunista do blog @cafecnoticias. Semanalmente, você irá conferir por aqui novidades do mundo literário, entrevistas, resenhas e, até mesmo, sorteio de livros. Acompanhe:


Saudações, querido leitor. As Notas Literárias desta semana estão repletas de boas indicações: há clássicos da literatura, fantasia, estranhas experimentações e até um guia de como o dinheiro pode trazer a felicidade. Há também dicas para aqueles que estão abarrotados de livros na estante e um pouco de inspiração para os escritores em busca da primeira publicação. Confira e fique bem informado!


Inspiração

O jornal Estado de São Paulo publicou um artigo completíssimo sobre como uma nova safra de autores tem recorrido aos concursos literários em busca de reconhecimento e da primeira publicação. 

O texto lista alguns dos principais concursos do país – Jabuti, Portugal Telecom, Prêmio Governo de Minas Gerais – e compartilha as histórias de estreantes de sucesso como a jovem Luisa Geisler, duas vezes vencedora do Prêmio SESC de Literatura, e Marcelo Ferroni, editor da Alfaguara. Leitura inspiradora e imperdível para os aprendizes de escritor de todo o país. Confira aqui.

Psicose

Um dos filmes mais aclamados do cineasta americano Alfred Hitchcock é uma adaptação do romance Psicose, publicado pelo também americano Robert Bloch em 1959. O livro se tornou uma raridade, principalmente no Brasil, onde contou com uma única edição campeã de vendas na década de 1960. E a culpa disso é toda de Hitchcock. Quando adquiriu os direitos, o diretor tirou o livro de circulação para preservar o final da história que filmaria.

Felizmente, Psicose ganhou uma novíssima edição em português pela editora Darkside. O livro chega embalado pelo lançamento da série de TV Bates Motel, a qual foca a juventude do protagonista Norman Bates e seu relacionamento doentio com a mãe (interpretada pela atriz Vera Farmiga).

A obra de Bloch traz poucas novidades para quem já viu o filme: a famosa cena do chuveiro ocorre de maneira diferente e Norman é retratado como um sujeito de meia idade, careca, de óculos, rechonchudo e beberrão. Ainda assim, o livro se destaca ao detalhar a personalidade e as noites do proprietário do motel mais famoso da história do cinema.

Mashup literário

"Há momentos em que os homens são donos de seu fado. Não é dos astros a culpa, mas de nós mesmos", disse Cassius para Brutus em Júlio César, clássico de William Shakespeare. Mas esta lição bem poderia ter sido passada por Obi-Wan Kenobi ao seu aprendiz Luke Skywalker. 

Pensamento semelhante deve ter inspirado o americano Ian Doescher a escrever William Shakespeare’s Star Wars: Verily, A New Hope (“Guerra nas Estrelas por William Shakespeare: Realmente uma Nova Esperança” em tradução livre). Ao recontar, à maneira de Shakespeare, a história de um dos maiores sucessos do cinema, Doescher se revela tanto um fã do bardo inglês quanto da saga criada por George Lucas. 

O livro é um lançamento da Quirk Books, editora que tem se firmado como uma referência do mashup literário (uma mistura de elementos de obras distintas que resulta num novo texto) – são dela títulos como Orgulho e Preconceito e Zumbis (Ed. Intrínseca), Razão e Sensibilidade e Monstros Marinhos (Ed. Intrínseca) e Android Karenina.

Não se sabe ainda se o autor pretende adaptar os demais filmes de Star Wars, mas não seria uma má ideia, hein? Ficou curioso? Confira um excerto do livro disponibilizado aqui (em inglês, naturalmente).

Clássico Reeditado

Romance mais famoso do escritor irlandês Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray foi editado inúmeras vezes desde o seu lançamento no longínquo ano de 1890. Contudo, a nova edição preparada pela Globo Livros traz algo de especial: ela corresponde à primeira versão datilografada e corrigida pelo próprio Wilde.

A história saiu pela primeira vez nas páginas da Lippincott's Monthly Magazine, cujo editor censurou e cortou grande parte do texto. No ano seguinte, ela foi publicada em livro, mas manteve os antigos cortes e recebeu novos em razão do escândalo que provocou à época. Agora a Globo traz uma “edição anotada e sem censura” do original.

O livro deve interessar aos acadêmicos pelos aspectos estéticos – principalmente na súbita mudança de estrutura identificada no nono capítulo, e aos fãs da obra por levantar novas questões acerca do pacto firmado pelo protagonista. O Retrato de Dorian Gray conta com duas adaptações para o cinema, sendo a mais recente de 2009. Abaixo, assista o trailer do filme O Retrato de Dorian Gray estrelado por Colin Firth:


Dinheiro e felicidade

Esqueça o clichê que prega que dinheiro não compra felicidade. Quando bem empregado, o dinheiro pode sim tornar as pessoas mais felizes. É o que defendem a professora de psicologia Elizabeth Dunn e o professor de administração e marketing Michael Norton, autores de Happy Money: the science of smarter spending ("Dinheiro Feliz: a ciência de como gastar melhor" em tradução livre).

Ainda inédito no Brasil, o livro demonstra formas de aplicar bem o dinheiro para alcançar a cobiçada felicidade. Gastar menos com a compra de bens e mais com experiências (viagens, espetáculos, jantares), pagar por um produto antes de usá-lo e ajudar os outros são apenas alguns dos exemplos expostos por Dunn e Morton.

Crepúsculo da Terra-média

Em entrevista concedida à revista Variety, a escritora americana Stephanie Meyer revelou estar farta da série Crepúsculo (Intrínseca) e ansiosa por passar mais tempo em outros mundos, em especial a Terra-média, cenário dos livros O Senhor dos Anéis (Martins Fontes) e O Hobbit (Martins Fontes). A declaração repercutiu pela Internet, gerando apreensão e ataques de fúria de fãs das obras do britânico J. R. R. Tolkien.

Para o alívio de uns e a tristeza de (poucos) outros, é improvável que Meyer consiga escrever qualquer coisa que faça uso dos elementos desses clássicos da fantasia, já que Christopher Tolkien, detentor dos direitos autorais, é tido como extremamente conservador e inflexível no que diz respeito às obras de seu pai.

Meyer já foi descrita como uma escritora “não muito boa” pelo renomado autor Stephen King e, atualmente, ela se dedica à carreira de produtora: seu primeiro lançamento é o filme Austenland, adaptação do romance homônimo que narra uma viagem de uma fã da escritora britânica Jane Austen.

Edições de colecionador

Uma das maiores e mais renomadas rede de livrarias dos EUA, a Barnes & Nobles lançou edições luxuosas de clássicos da literatura, todas em capa dura de couro e com belas ilustrações. Os livros também tem detalhes em tinta especial dourada ou prateada e folhas douradas. 

Entre os livros reeditados estão Alice no País das Maravilhas, Drácula, As Crônicas de Nárnia, O Mágico de Oz, Vinte mil Léguas Submarinas, Orgulho e Preconceito, e O Retrato de Dorian Gray. Algumas dessas preciosidades estão à venda (por um preço salgado) no site da Livraria Cultura - obviamente, as edições estão todas em inglês.

Capas Fantásticas

Dragões de Éter (Leya) é uma das mais incríveis séries juvenis de fantasia já produzidas no Brasil. Escritos pelo carioca Raphael Draccon antes de se tornar o editor do selo Fantasy - Casa da Palavra da Editora Leya, os livros Caçadores de Bruxas, Corações de Neve e Círculos de Chuva foram relançados com novas e belíssimas capas. 

As ilustrações foram produzidas pelo artista francês Marc Simonetti, ninguém menos que o responsável pela arte dos livros das edições nacionais das séries As Crônicas de Gelo e Fogo e A Crônica do Matador do Rei. O box com os três livros está à venda no Submarino.

Livros na decoração

Todo aficionado por livros enfrenta dois grandes desafios hoje em dia: ler tudo o que compra e encontrar espaço para acomodar suas aquisições. Ao menos para um deles há soluções bem criativas, como demonstram os arquitetos Maria Helena Torres, Renato Tavolaro e Solange Medina num artigo publicado no site da Veja Rio

Chega de livros entulhados em estantes ou caixas, a moda agora é usá-los numa decoração bem descolada e, de quebra, economizando espaço: mesa lateral ou de centro, luminária, sofá-biblioteca (meu favorito), prensa-livros. Confira todas as dicas aqui.






*Perfil: Tiago K. Pereira é escritor de coração e servidor público por necessidade. Aficionado por letras, livros e curiosidades do mundo nerd, Tiago busca realizar seu sonho de se tornar um escritor profissional. Entre rascunhos de histórias e telas de programação, ele se aproxima do mundo da literatura escrevendo no Escriba Encapuzado e para a seção Café Literário do blog Café com Notícias.



  


Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e assista os vídeos do canal no YouTube.





Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

4 comentários

  1. Muito bom! Texto rico e criativo. Seguirei por aqui e pelo facebook.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Carol. Espero que goste dos próximos textos também. ;)

      Abraço,
      Tiago K. Pereira – Escriba Encapuzado
      Colunista do Café Literário
      _________________________________
      http://escribaencapuzado.wordpress.com/
      https://www.facebook.com/escribaencapuzado

      Excluir
  2. Francisco Bertoletta22 de ago de 2013 22:07:00

    Gostei muito dos assuntos abordados na coluna esta semana. Fiquei interessado em ler esse livro Psicose. Minha filha disse que esta série Bates Motel é muito boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou muito curioso sobre a série. Darei uma conferida assim que arrumar um tempinho na agenda.

      Abraço,
      Tiago K. Pereira – Escriba Encapuzado
      Colunista do Café Literário
      _________________________________
      http://escribaencapuzado.wordpress.com/
      https://www.facebook.com/escribaencapuzado

      Excluir