Café Literário – Livro “Coletivo 21” mostra a força dos escritores mineiros contemporâneos

agosto 01, 2013



Bem-vindo ao Café Literário, a sua dose semanal de literatura! Nesta temporada, a seção está sob os cuidados do escritor em formação, apaixonado por literatura e autor do blog Escriba Encapuzado, Tiago K. Pereira*, novo colunista do blog @cafecnoticias. Semanalmente, você irá conferir por aqui novidades do mundo literário, entrevistas, resenhas e, até mesmo, sorteio de livros. Acompanhe:

Saudações literárias. Esta semana o Café Literário traz a resenha de um livro que reúne a arte de escritores mineiros contemporâneos. Contando com nomes como Carlos Herculano Lopes, Luís Giffoni, Ronaldo Simões Coelho, Sérgio Fantini, Dagmar Braga e outros filhos das Gerais, Coletivo 21 – Antologia é literatura de altíssima qualidade.


Minas em verso e prosa


O escritor já foi um ser solitário. À maneira dos clichês narrativos, tem enfraquecido a ideia da figura antissocial que se refugia entre cadernos (físicos ou digitais) e xícaras de café (ou taças de vinho). Na era das redes sociais, a solidão cede lugar à coletividade: o eremita deixa sua caverna e, ao lado de outros como ele, semeia o mundo lá fora com sua arte.

Cientes das dificuldades enfrentadas pelos autores da pátria no mercado editorial brasileiro – em especial pelos que vivem fora do eixo Rio-São Paulo – 23 escritores mineiros se reuniram em 2011 para fundar o Coletivo 21. O objetivo: fortalecer e difundir a literatura produzida no berço de mestres do ofício como Carlos Drummond de Andrade, Guimarães Rosa e Fernando Sabino.

Figuram entre as fileiras do grupo: Adriano Macedo (idealizador e coordenador do Coletivo), André Rubião, Antônio Barreto, Branca Maria de Paula, Caio Junqueira Maciel, Carlos Herculano Lopes, Cláudio Martins, Cristina Agostinho, Dagmar Braga, Francisco Morais Mendes, Jaime Prado Gouvêa, Jeter Neves, Jorge Fernando dos Santos, Léo Cunha, Luís Giffoni, Malluh Praxedes, Neusa Sorrenti, Olavo Romano, Ronald Claver, Ronaldo Guimarães, Ronaldo Simões Coelho e Sérgio Fantini – o escritor Duílio Gomes integrou o grupo até seu falecimento em 2011.

Juntos, os escritores do Coletivo 21 – o número é uma referência ao século – somam mais de 300 títulos publicados em gêneros diversos e muitos premiados no Brasil e no mundo. O site oficial do grupo reúne informações sobre a maioria dos autores e demonstra claramente que sua preocupação vai muito além do lançamento de livros.

Uma dica para o pretenso aprendiz de escritor: alguns membros do Coletivo prestam serviços como revisores, leitores críticos e oficineiros literários (confira o perfil de cada um).


Resenha: Coletivo 21 – Antologia


Lançado no Salão do Livro Infantil e Juvenil de Minas Gerais de 2011, Coletivo 21 – Antologia é o primeiro trabalho do grupo e marco de seu lançamento. Contando com a participação dos escritores convidados Luiz Ruffato e Vivina de Assis Viana, encarregados, respectivamente, da orelha e do prefácio, o livro reúne, em prosa e verso, 33 textos de diversos temas e tamanhos.

Dedicado ao escritor português Cunha de Leiradella e ao falecido poeta Alécio Cunha, a obra apresenta a arte literária mineira em um mosaico de contos, poemas, aforismos e trechos de romance e de biografia. Trata-se, como definido pelo próprio Adriano Macedo, de um cartão de visita do Coletivo 21.

Em maior número, os contos se sobressaem, em especial quatro primorosos trabalhos: “Nossa Senhora das Águas” do próprio Macedo brinca com o leitor ao convidá-lo para um passeio pelo litoral de João Pessoa; “Triunfo” de Luís Giffoni alude, propositadamente ou não, a um famoso escritor tcheco; “A mãe e a filha” de Malluh Praxedes ironiza e critica as relações familiares; e A Rainha do Egito de Sérgio Fantini homenageia a canção homônima de Jorge Mautner com uma personagem instigante.

Há outras preciosidades: o afiado “Interdito” de Branca Maria de Paula, o platônico “Mulher se maquiando” de Carlos Herculano Lopes, o divertido “Os que seguem garotas” de Francisco de Moraes Mendes, o surpreendente “Os gêmeos” de Malluh Praxedes, o pungente “Uma rua chamada Bahia” de Ronald Claver e o curioso “Grou Coroado” do falecido Duílio Gomes – um dos contos de Duílio, “Todos os insetos” já foi adaptado para um curta-metragem com o título de "Nada será como antes". Assista, abaixo:


Entre os poemas, destaque para os dozes trabalhos de Olavo Romano, todos agrupados sobre o sugestivo e prestigioso título “Minas na veia”. “Moleskine” de Cláudio Martins é um coringa: não é conto, nem romance, nem poema; trata-se de um divertido “devaneio gráfico”, nas palavras de Luiz Ruffato.

Um elefante na sala de estar, trecho de um romance (ainda não publicado) de André Rubião, é o texto mais fraco do livro; não que seja ruim – pelo contrário; é estonteante –, mas por não trazer uma história fechada acaba por frustrar o leitor, abandonando-o com uma sensação de incompletude.

Coletivo 21 – Antologia tem 128 páginas e pode ser obtido online em livrarias de todo o país, no espaço cultural Letras e Ponto em Belo Horizonte ou diretamente com a Autêntica Editora, que disponibiliza uma amostra das primeiras páginas e do conto “Nossa Senhora das Águas”.

Parafraseando Ruffato, este livro comprova que os escritores mineiros contemporâneos fazem jus à tradição de Minas Gerais como berço de literatura de qualidade. Trata-se, portanto, de uma leitura imperdível. E para os fãs de uma boa ficção científica com toques mais humanistas recomendo também o ótimo Infinito em Pó, de Luis Giffoni.


Avaliação literária (Nota de 1 a 5):








*Perfil: Tiago K. Pereira é escritor de coração e servidor público por necessidade. Aficionado por letras, livros e curiosidades do mundo nerd, Tiago busca realizar seu sonho de se tornar um escritor profissional. Entre rascunhos de histórias e telas de programação, ele se aproxima do mundo da literatura escrevendo no Escriba Encapuzado e para a seção Café Literário do blog Café com Notícias.






Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.







Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

4 comentários

  1. Francisco Bertoletta5 de ago de 2013 08:58:00

    Interessante ver um livro que reúne uma boa safra de escritores mineiros juntos. Acaba que um ajuda o outro e apresenta para o seu público o colega. A ideia é muito boa!

    ResponderExcluir
  2. Por coincidência meu pai tem esse livro na estante, mas eu nunca li. Vou dar uma folheada para ver se tem alguma coisa que me chama a atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lívia,

      Tenho certeza de que encontrará algo que prenda sua atenção. Os textos são muito bons.


      Abraço,
      Tiago K. Pereira – Escriba Encapuzado
      Colunista do Café Literário
      _________________________________
      http://escribaencapuzado.wordpress.com/
      https://www.facebook.com/escribaencapuzado

      Excluir
  3. Gostei muito de passear pelo blog e dos artigos dispostos. deixo aqui meu endereço e não consegui marcar em seguir



    www.maiangole.blogspot.com

    ResponderExcluir