Crise no Paraguai – Golpe ameaça a permanência da democracia

junho 24, 2012




Depois de Honduras, agora é a vez do Paraguai viver um Golpe de Estado. A ação, que durou um pouco mais de 24 horas, foi orquestrada pelo Congresso e Senado paraguaio e destituiu Fernando Lugo da presidência daquele país. No lugar dele, foi empossado o vice, Federico Franco, que já havia rompido a aliança política com Lugo, logo no início do mandato.

De forma rápida e rasteira, no dia 21 de junho, o Congresso paraguaio aprovou, de modo quase unânime (73 votos a 1), o pedido de impeachment de Lugo. No dia seguinte, o Senado julgou o processo por 39 votos a 4. O desgaste entre o parlamento e o executivo paraguaio é antigo e vem desde a época em que um bloco de partidos se uniram para tirar o Partido Colorado do poder em 2008, mostrando que nem toda aliança política é confiável.

Veja também

 
O Legislativo viu uma oportunidade de destituir Lugo após as 17 mortes ocorridas durante um confronto entre policiais e Sem-Terras, numa área rural de Cuaraguaty, no Paraguai. Além disso, o presidente deposto vinha de uma conturbada crise institucional, segundo o parlamento. Fora o recente massacre na zona rural, o ex-presidente também enfrentou problemas pessoais. Foi obrigado a assumir a paternidade de dois filhos que teve quando ainda era religioso e enfrentou um tratamento para combater um câncer linfático.

Ex-bispo da Igreja Católica, Fernando Lugo foi eleito em 2008 graças a uma aliança entre partidos de direita e esquerda [algo semelhante que aconteceu nas eleições municipais de Belo Horizonte, Minas Gerais] que queria por fim a hegemonia de 60 anos do Partido Colorado. Mas, pouco tempo depois que assumiu o governo do Paraguai, a aliança foi desfeita pelo fato da direita acusa-lo de favorecer a implantação da reforma agrária e fomentar programas sociais de forma populista.

Após ser destituído do cargo, Lugo declarou que se submetia à decisão do Congresso por respeitar as leis do seu país, mas afirmou que “os princípios da defesa foram desrespeitados de forma covarde e grave”. O ex-presidente lembrou ainda que sempre atuou de acordo com a lei e no fim agradeceu pelo apoio de todos. Alemanha, Espanha e o Vaticano já reconheceram o novo governo de Frederico Franco. Já a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, decidiu retirar seu embaixador do Paraguai, como protesto à cassação sumária do ex-presidente.

Já a presidente Dilma Rousseff, se reuniu, na noite deste sábado (23), no Palácio da Alvorada, com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota; os ministros da Defesa, Celso Amorim, e de Minas e Energia, Edison Lobão, para discutir a situação política no Paraguai. Ainda no sábado, o Itamaraty divulgou nota condenando como “rito sumário de destituição do mandatário do Paraguai, decidido em 22 de junho, que não foi adequadamente assegurado o amplo direito de defesa”.

Na nota, o governo brasileiro considera que o procedimento adotado pelo parlamento paraguaio “compromete o pilar fundamental da democracia, condição essencial para a integração regional”. O documento diz ainda que medidas serão aplicadas e avaliadas pelos parceiros do Mercosul e UnaSul, mas que o “governo brasileiro ressalta que não tomará medidas que prejudiquem o povo irmão do Paraguai”

Enquanto isso, o novo governo paraguaio utiliza a Usina de Itaipu para blefar com o Brasil, numa manobra bastante perigosa para impor o reconhecimento do presidente Frederico Franco. O Golpe no Paraguai é mais perigoso [para o Brasil] do que se imagina e caberá ao governo brasileiro bastante diplomacia para contornar a crise que fragiliza ainda mais a situação da América Latina.

A impressão que fica é que o legislativo paraguaio só foi se dar conta da ação aos 45 do segundo tempo, e não mediu os impactos internacionais. O blefe maior foi orquestrar o golpe no final da Rio+20, numa tentativa de desviar o foco. 
 Só que o tiro saiu pela culatra. Prova disso é que mesmo que o legislativo encontre brechas técnicas na lei para propor um impeachment e assegurá-lo de modo legal, os países do Mercosul e UnaSul não viram a ação com bons olhos. Vem aí chumbo grosso. Ao que parece, essa história está apenas começando.



Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.




Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

1 comentários

  1. Francisco Bertoletta24 de jun de 2012 11:19:00

    Parabéns pela reportagem, meu caro. O grande problema dessa crise do Paraguai são as relações comerciais com a Usina de Itaipu. Como vc disse, essa história ainda vai render muito.

    ResponderExcluir