MediaOn – Último dia faz balanço sobre a relação da mídia com a internet

novembro 25, 2011

Sabrina Sato participa do último painel do MediaOn. Foto: Rubens Chiri.


Terminou nessa quinta-feira (24) o MediaOn – Seminário Internacional de Jornalismo Online, realizado no Itaú Cultural, em São Paulo. O evento, que teve entrada gratuita, discutiu no seu último dia o papel do politicamente correto na hora de se produzir conteúdo e publicidade; a qualidade da atual safra do jornalismo brasileiro; o uso de redes sociais para o ciberativismo; a estreia da versão brasileira do HuffingtonPost em 2012 e um bate-papo bem-humorado com Sabrina Sato e Marco Luque.


Veja também:


Realizado anualmente pelo portal Terra e Itaú Cultural, o @mediaon é um dos principais fóruns de debates sobre jornalismo online, digital e novas mídias, contando com a presença de representantes de diversos veículos brasileiros, da América Latina, Europa e Estados Unidos. O tema do evento deste ano foi: A transformação do ciclo da notícia, a revolução na indústria cultural e os efeitos na produção de conteúdo criativo. Confira abaixo alguns destaques desse último dia do seminário:

# O diretor de Marketing da Nissan, Murilo Moreno, e o diretor de Inovação e Criatividade da Coca-Cola, Gian Martinez, debateram no primeiro debate da manhã a tendência atual do politicamente correto no Brasil e no mundo se impor perante a produção de conteúdo informativo e publicitário. “O politicamente correto é cultural, é uma questão de as minorias se posicionarem, não adianta achar que é passageiro. O humor de hoje em dia é diferente de 40 anos atrás. Entender o momento da cultura”, disse Moreno.


# Já Martinez enfatizou que a Coca-cola sempre se posicionou de forma positiva em relação às questões da atualidade. “Em 1918 a Coca-cola colocou um anúncio de uma mulher sozinha. A mulher estava sozinha em um bar e isso não fazia dela uma… entendemos. O que buscamos é ser culturalmente correto. Nossa posição não vai necessariamente de encontro com as políticas vigentes. Este é o papel de uma marca livre”.
Profissionais da Nissan e da Coca-cola falam sobre a onda do politicamente
correto no conteúdo. Foto: Reinaldo Marques / Terra.

# Outro bastante relevante desse painel, foi o fato dos palestrantes falarem sobre a importância das marcas também produzirem conteúdo relevante nas redes sociais atrelado ao institucional, criando empatia com o internauta. “Com os sites, redes sociais e blogs, a atenção do consumidor ficou mais difícil de ser capturada. O consumidor vai atrás só daquilo que o interessa. A gente quer que uma pessoa tenha um relacionamento da marca. De um lado, conteúdo contestador, de entretenimento. E de outro lado, eu entrego conteúdo institucional básico da marca, mas de uma forma light”, explicou Moreno.

# Posteriormente, por volta das 11h30, aconteceu o painel 2, que debateu a qualidade da atual safra do jornalismo brasileiro, colocando no “divã” os jornalistas Mino Carta (diretor de Redação da Carta Capital) e Fabio Altman (editor executivo da Revista Veja), tendo como mediador o  Jorge Forbes, especialista em psicanálise lacaniana. “Os jornais brasileiros são muito feios e muito mal escritos. O jornalismo brasileiro chegou a níveis grotescos. (...) A mídia sempre foi um instrumento nas mãos do poder. O conteúdo era o mesmo, mas a forma era muito melhor. Fico espantado com o baixo nível cultural dos nossos jovens jornalistas, eles não sabem nada. Nunca leram nada significativo", disse Mino.
Debate sobre a qualidade do jornalismo brasileiro no MediaOn. Foto: Rubens Chiri.

# Já Altman foi menos pessimista. “A quantidade de informações, a variedade e a velocidade de informações …o volume é muito maior e mais rico do que há alguns anos atrás. Se você não tiver um filtro, acaba consumindo muito lixo. Mas consome coisa boa também. Mas não tenho dúvida que o jornalismo piorou muito. Muito raramente encontramos reportagens que sejam fascinantes”, comentou.

# À tarde, no painel que abordou o papel transformador das notícias nas redes sociais, o pesquisador e gerente do projeto de Tecnologia da informação e Política do Islã da universidade de Washington, Muzammil Hussain comentou sobre a importância do ciberativismo nas redes sociais. “Sem as redes sociais seria significantemente mais difícil para as mensagens chegarem ao redor do mundo, chegar em países influentes. As ferramentas online diversificaram o número de pessoas envolvidas no episódio”, disse Hussain que destacou também a importância troca de informações entre os manifestantes e a imprensa internacional.
O diretor de tecnologia editorial do Huffington Post, Conor
White-Sullivan, participou do MediaOn. Foto: Rubens Chiri.

# Já o diretor de tecnologia editorial do Huffington Post, Conor White-Sullivan, definiu que o uso de redes sociais para o engajamento social é como “uma bola de neve rolando montanha abaixo”, o que faz com que cada vez mais pessoas sensibilizadas com a causa cresçam por iniciativa pessoal.

# Previsto para ser lançado no primeiro semestre de 2012, versão brasileira do Huffington Post quer convocar blogueiros brasileiros a participarem do projeto. “Desejamos ouvir essa voz única que vocês têm. Levamos a vocês um microfone”, disse o diretor de tecnologia editorial do portal de blogs noticiosos Huffington Post, Conor White-Sullivan. O Huffington Post faz parte do grupo AOL que deve abrir um escritório no Brasil com uma equipe local. Segundo White-Sullivan, o portal é o terceiro maior em participação dos leitores no mundo.

# O diretor disse ainda que o jornalista independente precisa ter uma forma particular de humildade no ambiente online que permita “ouvir as milhares de vozes” que participam do movimento e terão uma visão própria. “Há bilhões de pessoas interagindo com seu conteúdo, pessoas que têm uma visão que você jamais terá”, disse Conor White-Sullivan.
Marco Luque participa do último painel do MediaOn. Foto: Rubens Chiri.

# Para terminar, o último painel contou com um debate bem-humorado com os apresentadores/humoristas Sabrina Sato e Marco Luque, que falaram sobre tweet pago e o fato deles rejeitarem tomar o lugar de jornalistas na TV. Durante a palestra, Sabrina disse que se define como apresentadora e animadora de TV, enquanto Luque disse se considerar “ator”. “Nem eu nem a Sabrina fomos convidados para um trabalho de jornalista, o que temos de forte é a comédia, o humor”, disse Luque. Já sabrina foi enfática. “Até tenho uma faculdade de jornalismo, que eu não terminei, mas a minha personalidade e a dele (Luque) têm tudo a ver para ocupar aquele espaço. Tudo o que eu fiz na vida foi de uma maneira muito intuitiva”, comentou a integrante do Pânico na TV.

# Sobre a venda de tweets patrocinados, Luque e Sabrina revelaram que é mais fácil assumir uma postura espontânea no Twitter. “As marcas começaram a pensar nas redes sociais. Mas você não pode fazer uma propaganda. Tem que falar algo como: “Pô, hoje abri e mochila e…”, explicou o humorista. “Tem que ser um papo natural”, complementou Sabrina. Integrante do CQC, Luque revelou que chega a ganhar R$ 15 mil por tweet.


______________________________
Colaborou: Mariana Astolfi.




Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.




Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

4 comentários

  1. Parabéns pela cobertura do MediaOn, Wander. Não conhecia o evento e fiquei fascinado com a riqueza de assuntos que foram debatidos. Ano que vem, quero participar. Um forte abraço. Lucas Nogueira.

    ResponderExcluir
  2. Nossa senhora, 15 mil por um tweet da Sabrina Sato ou do Luque....não acho que eles valham isso todo e nem tenham essa credibilidade toda para tal. Fique decepcionada agora....rs :( ...brincadeira. Gostei muito de saber do MediaOn aqui pelo Café com Notícias. Parabéns pelo blog! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Primeira vez que leio sobre o MediaOn e posso dizer que achei tudo muito interessante. Parabéns pela cobertura e pelo trabalho feito aqui no blog Café com Notícias.

    ResponderExcluir
  4. Sou leitor assíduo do seu Blog. Um abraço, Sérgio Pugliese. Corretor especializado em Imóveis na Vila Mascote.

    ResponderExcluir