Denúncia - Jornalistas mineiros são acusados de serem funcionários fantasmas

julho 04, 2009


O Jornalismo vive um dos seus momentos mais críticos na sociedade, onde o STF (Supremo Tribunal Federal) coloca em xeque a atividade perante à imprensa e o público. Em linhas gerais, de acordo com a Justiça, qualquer profissional graduado pode ser Jornalista, numa atitude que desvaloriza completamente o ensino superior, o conhecimento científico produzido até então - ligado a Ciências da Comunicação, e a técnica jornalística. Ou seja, ao invés da sociedade evoluir, damos não só um, mas dois passos para trás.

Mesmo com essa decisão polêmica, muitas empresas de comunicação afirmam que continuarão buscando na academia os seus futuros talentos profissionais. Dúvido! Infelizmente, se isso fosse verdade, todos os veículos de comunicação se uniriam para impor mais profissionalismo à categoria e combater esse desrespeito a qualidade da informação repassada ao público - valorizando, principalmente, os profissionais graduados que exercem este ofício com respeito, conhecimento e dignidade. Querem desmoralizar o Jornalismo! Mas, antes que isso aconteça, o tapete das empresas de comunicação, aos poucos, começa a ser puxado.

Se os jornalistas não possuem uma categoria firme, unida e representativa, o que dirá dos salários que estão cada vez mais achatados - para não dizer humilhantes. A maior parte dos profissionais, mesmo sendo empregado em um lugar específico, acaba tendo que se aventurar em mais de um emprego ou em trabalhos freelancer para poder melhorar o seu orçamento no final do mês. Foi por causa de salários, que o debate entre o público e o privado tem sido alvo de discussões importantes na internet, que afloraram questões de ética, moral e dever como cidadão, nesta última semana.


Pois bem, o jornalista Fábio Pannunzio - que também atua como editor online do Blog do Pannunzio, trouxe a público uma séria de reportagens, em forma de denúncia, falando que alguns jornalistas de Minas Gerais atuam como "funcionários fantasmas" em gabinetes de políticos em Brasília.

A denúncia em questão trouxe à tona que boa parte dos jornalistas da Rádio Itatiaia estão ou estiveram lotados nos gabinentes dos senadores Hélio Costa (PMDB-MG, atual ministro das Comunicações), Wellington Salgado (PMDB-MG) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Inclusive, o diretor de jornalismo da emissora - Márcio Dotti, mantém a própria esposa lotada no gabinente de Wellington Salgado, desde 2003, sem ela nunca ter aparecido por lá.


- Repórter da Itatiaia não aceita rótulo de "fantasma"
- Mulher do diretor de jornalismo da Itatiaia está na folha do Senado


Ainda, nos comentários dessas postagens do Blog do Pannunzio, é possível ler denúncias (que ainda precisam ser apuradas) de como funciona esse esquema que é encarado com naturalidade por muitos colegas de imprensa. Ainda, pelo que se foi levantado, não são só os jornalistas da Rádio Itatiaia atuam como funcionários fantasmas. Há denúncias de que jornalistas de outros grandes veículos de comunicação mineiros também mantém essa prática não só em Brasília, mas em prefeituras, secretarias e Câmara de Vereadores da Grande BH e na Assembléia Legislativa de Minas Gerais.


Não que trabalhar em mais de um lugar seja desonesto. Muito pelo contrário, trabalhar não é vergonha para ninguém. Mas, o fato em questão, é que esses jornalistas citados serem "fantasmas", ou seja, nunca terem ido trabalhar nesses gabinetes e receber altos salários por isso. Claro, quando lemos notícias desse tipo na internet, a primeira coisa a se fazer é apurar e ver a procedência disso.

De acordo com alguns colegas da imprensa, que pediram para não se identificar com medo de alguma represália por parte das empresas de comunicação, essa prática é antiga, pois muitos diretores sugerem que o jornalista aceite tal função para ter um "adicional" no final do mês.

"Os jornais de Minas não vão repercutir isso nunca, porque todo mundo tem o rabo preso. Se um começar a denunciar, o outro vai atrás e no final das contas todos os grande veículos bebem da mesma água. Quem não gostaria de receber sem trabalhar?", afirma um editor de uma importante emissora de TV.

Para quem não conhece, Fábio Pannunzio é jornalista, repórter e escritor, graduado em Comunicação Social pela Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Atualmente, reside em Brasília e faz a cobertura política para a Rede Bandeirantes de Televisão, além de ser substituto de Bóris Casoy no "Jornal da Noite", exibido pela mesma emissora. Pannunzio foi o primeiro repórter de TV brasileiro a entrevistar as Farcs - Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, em seus acampamentos, em plena selva colombiana. A experiência forneceu material para o livro "A Última Trincheira", lançado pela Editora Record, em 2001.


Só pelo currículo de Fábio Pannunzio, percebemos logo de cara que ele não colocaria no ar algo que não tivesse procedência e que não sofresse alguma apuração. Além disso, ao conversar com vários colegas da imprensa mineira - inclusive que atuam como funcionários públicos concursados, percebi outra denuncia: a prática de contratação de comissionários "fantasmas" por padrinhos políticos ou poderosos é mais comum do que imaginamos, não só na comunicação, mas em qualquer setor/ocupação do poder público.

Ser contratado, não ir trabalhar e receber por isso todo quinto dia útil do mês: isso é justo? Pode até não ser, mas para alguns políticos, isso é perfeitamente corriqueiro e legal. Será que alguém no Ministério Público ou Justiça toparia investigar esse escândalo dos funcionários fantasmas?

Ano que vem é tempo de eleição. Mas, antes de gritar fora fulano ou cicrano, pensemos muito bem em quem iremos eleger para nos representar. Se a política está podre, cheia de falta de ética e moralidade, a culpa é nossa que ainda não aprendemos a pesquisar antes de votar. Pense nisso! A mudança está nas suas mãos. Além disso, os blogs tomaram para si a prerrogativa de mídia independente e que denuncia atos de irresponsabilidade - coisa que a mídia tradicional geralmente se cala pelo fato de ter o "rabo preso".

Por isso, a blogosfera ou as redes sociais são vistas atualmente como "coisas menores" pelas mídias tradicionais (TV, Rádio e impresso) para confundir o público, porque a revolução, o debate e o pensamento crítico são terrenos férteis neste espaço. Então, seja contra ao monopólio da informação. Leia mais de um jornal ou revista, ouça várias emissoras de rádio, acesse vários blogs e sites e troque de canal de TV mais vezes para não ficar refém de uma única forma de pensamento. Isso sim que é liberdade de expressão!





Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, participe da comunidade no Orkut ou assine a newsletter.





Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

28 comentários

  1. Uma notícia muito triste, Wander. Infelizmente em todas as profissões existem as maçãs podres. Como podemos confiar nestes jornalistas? Por estas e outras que muitas vezes duvidamos da imprensa. Tomara que sejam casos isolados.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Caramba, Wander. Você usou o exemplo dos jornlistas lotados em gabinetes de senadores e afins, mas têm tanta gente que nem ensino fundamental tem que são jogados nos gabinetes com salários de 2 mil e só recebem um salário mínimo porque o resto tem que ficar com o político. Afinal, se é fantasma, isso significa que o cara nem vai lá pra trabalhar, pega seu salario minimo e o politico pega o restante. Todos saem felizes, não é mesmo?

    Depois dizem que o Brasil é o país do futuro.

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Sobre a banalização da profissão de jornalista, eu estou de total acordo com você, estamos dando dois passos para trás. Apesar de todo mundo poder escrever em jornais e revistas hoje em dia, só o jornalista é especializado no qu faz. Vou fazer um paralelo com a minha profissão, sou historiador e hoje qualquer um pode dar aulas de história. O que mais vemos é advogado, cientista social, filósofo etc; dando aulas de História. ocupando cada vez mais as vagas nos empregos.

    Sobre a notícia é triste ler isso, mas o mais triste ainda é estarmos acostumados com isso. O que tem de gente mamando nas tetas do governo não dá para contar. Eu tenho blog sobre política, eu coloco pontos importantes do que está acontecendo nos bastidores da política, faço balanços de políticos e outras coisas mais. Se puder, dá uma olhada e lá e deixa um comentário em um dos posts, pois ficarei muito feliz se fizer isso, já que tu tens uma ótima visão das coisas.

    ResponderExcluir
  4. Eu li algo sobre esse assunto em um jornal daqui da região que moro.
    Por um lado eu acho até legal, pois existem muitas pessoas que tem bom talendo para o jornalismo e não tem condições de estudar...
    Por outro lado, muito vão ser "jack", "já que" não serve pra bosta nenhuma vai ser jornalista, afinal não precisa mais de "faculdade".
    Sucesso pra vc e pro seu blog!
    BjOs^^

    ResponderExcluir
  5. Bem, a banalização do jornalismo não vem de hoje, uma vez que a profissão sempre foi muito saturada. Todo mundo acha que é fácil ser jornalista. Agora então nem se fala.

    Eu sou paulista e moro em MG e em relação a questao de funcionarios fantasmas, acho que isso é bem coisa de mineiro (nao sei se vc eh mineiro), mas infelizmente é assim mesmo... sem preconceito contra mineiros sô!

    http://cerebro-musical.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. PROVAVEL QUE NO FUTURO NÃO PROCUREM NAS UNIVERSIDADES SEUS TALENTO, POIS COM EM QUALQUER OUTRO NEGOCIO DE ENXUGAR OS GASTOS AS EMPRESAS VÃO QUALQUER INDIVIDUO QUE TENHA UMA BOA ESCRITA EXCLUINDO TOTA UMA VIVENCIA NA ACADEMIA

    ResponderExcluir
  7. É realmente triste ler isso...eu pensei em estudar jornalismo, mas agora penso melhor, deixa ver como essa situação vai ficar. Adoro seu blog.

    ResponderExcluir
  8. Wander, eu acho que a escrever nos meios de comunicação é uma tarefa importante, e colocar qualquer um trabalhando nisso é arriscado; mas ter que ter uma faculdade de jornalismo pra conseguir ser ouvido é demais; a especialização em outras áreas é importante para uma melhor aboradagem dos assuntos.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Pois é.
    Pau que dá em Chico, dá em francisco.
    Mal jornalistas, mal politicos, mal blogueiros.
    E ainda bem que existem os bons :)

    ResponderExcluir
  10. E agora que não precisa mais de jornalismo para exercer a profissão? Não é qualquer um que pode ser jornalista não.


    Conhece Wombats?Eles são demais!
    Sua filha que gosta?

    www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Tratando de Itatiaia, porque será que não me surpreende? Só acho que essa investigação tmbém deveria se estender ao núcleo esportivo da mesma. Não só dela, de empresas como dos Diários Associados também...
    Esse é o nosso Jornalismo. Isso é Minas Gerais. "Os jornais de Minas não vão repercutir isso nunca, porque todo mundo tem o rabo preso. Se um começar a denunciar, o outro vai atrás e no final das contas todos os grande veículos bebem da mesma água. Quem não gostaria de receber sem trabalhar?"
    Bom... acho que vc já disse tudo transcrevendo a fala desse sujeito aí.

    Abraço
    http://falandoprasparedes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Esse assunto está rendendo e tem que render muito mais. É realmente uma vergonha o que o STJ determinou.
    E agora mais essa denuncia. É pra acabar de vez com qualquer tentativa de reversão do fato
    Abços

    ResponderExcluir
  13. Meu Deus! Era só o que faltava... Está mais do que na hora de ver o jornalismo mudando de cara completamente para que coisas como essas não aconteçam!

    ResponderExcluir
  14. Atualmente a imprensa é considerada o 4º poder no nosso pais. Ela já colocou e derrubou pessoas no poder.

    Porém, o que esperar de um país cujos maiores veículos de comunicação pertencem a políticos tradicionais e alguns até coronelistas?

    Seria muito mais fácil para eles criarem "jornalistas" moldados de acordo com seus interesses e que apenas se limitem a abastecer a indústria da noticia (ainda que apenas nos números fantasmas), e nao a cumprirem o seu principal papel q é a de informar e conscientizar.

    Ou seja, meu caro, nao acredito que isso (a lei do s/ diploma) seja fruto de uma falta de conhecimento dos políticos nao. Na minha opinião, eles sabem muito bem o que querem, e tudo isso faz parte de um processo de molde do chamado 4º aos seus interesses.

    Prefiro que a blogosfera continue sendo considerada "pequena", pq qdo se derem conta de suas influencias, com certeza darão um jeito de mexer aqui tb, e nao duvido nada, atraves de uma censura "moderada".

    Parabéns pelo post, rapaz.

    Abçs!!!

    Depois vá ao Ponto Três, hj publiquei um post... digamos... picante...rsrs

    http://blogpontotres.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Oi, compadre querido! Demorou, mas cheguei.

    É, esse tipo de denúncia precisa ser muito bem apurada, mas a reputaçao do jornalista em questão, como vc mesmo disse, já ajuda a dar peso ao fato. De qualquer maneira, nao seria de espantar, nao é mesmo? Eita profissãozinha complicada essa nossa, hein? E vc sempre pondo o dedo na ferida, né? Ai ai ai... hehehe

    Beijocas e um bom começo de semana pra vc, compadre!

    ResponderExcluir
  16. Prefiro nem comentar sabe!

    Só sei que é muito vergonhoso pro jornalismo mineiro esconder tudo isso que tá acontecendo! Tá na hora da imprensa local ser mais realista e omitir menos os fatos. Estão com medo de quem? O todo poderoso do Estado está agindo...triste fato!

    ResponderExcluir
  17. Não tem nada que me deixe mais puto que isso, receber salário sem trabalhar.

    Imagina a quantidade de grana que é jogada pelo ralo com isso no país inteiro.

    ResponderExcluir
  18. Isso nos faz pensar na série de mecanismos desse tipo existentes, que além de burlarem a justiça, fazem de tolos o cidadão comum...

    Tempo de crise para o jornalismo.

    Deveria ocorrer alguma mobilização séria por parte da classe. Afinal, os jornalismos deveria ser uma das classes profissionais mais engajadas, mesmo que isso fosse apenas no tocante à defesa de suas próprias objeções.

    Ao contrário do que parece que nos querem fazer pensar, há uma série de problemas no mundo. Para nós e para mais um monte de gente.

    Vamos agir. Cada um fazendo o que pode.

    Abraços!

    http://www.solucomenta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. É brabo esse tipo de atitude, ainda mais que atinge a profissão, castigada pela queda do diploma. Mas não só nesta área, temos em outras este tipo de conduta. Bem, é o Brasil.
    Parabéns pelo blog, felicidades!

    ResponderExcluir
  20. Engraçado...
    ... quando a gente pensa que essa coisa de 'funcionário fantasma', acontece só com professores municipais que supostamente lecionam em cidadezinhas pequenas... eis aí um, literalmente, TAPA NA CARA do mundo!
    ¬¬'

    P.S.: A profissão do Jornalista já anda tão 'super valorizada', que o mínimo de decência para com os profissionais, seria EXERCER com mérito a profissão... que, pelo visto, é pedir demais!
    =X

    http://adytaness.blogspot.com/

    [ Visite-o ]

    ResponderExcluir
  21. fala meu colega.
    que coisa triste acomtece isso vem e destruindo cada vez mais o que eu vc e outros colegas jornalistas comquistou ao longo na historia da nossa profissao
    é triste

    http://cronicasdigital.blogspot.com/2009/07/os-deuses-nao-morrem-apenas-desaparecem.html

    ResponderExcluir
  22. Esse assunto sobre Jornalismo já é polêmica há muito tempo. Ás vezes as pessoas se matam numa faculdade com a esperança de quando terminar já esteja tudo resolvido quanto ao dploma de Jornalismo. Mas concordo com você estamos dando passos para traz.

    Um beijo, Carol.

    ResponderExcluir
  23. Há dois anos eu venho tentando postar comentários sempre preocupado com as palavras sem deixar o conteúdo se perder; eu vou desistir e parar , aqui em minas estamos vivendo uma censura e ditadura sem precedentes, é prefeitura de b.h é governo, voce não conseque postar nada via veiculos de comunicação, eu não voto em governo nem governantes picaretas eu voto sim num estado de direito, no ESADO DO BRASIL.

    ResponderExcluir
  24. BRINCADEIRA, eu que tenho 15 anos e pretendo seguir a carreira jornalística estou pensado com maior moderação nisso, salários baixos não me atraem muito hehehe, pretendo agora fazer ADM.

    ResponderExcluir
  25. Isso é o Brasil...(infelizmente)

    ResponderExcluir
  26. Infelizmente existem bons e maus profissionais em todos os lugares e que se vendem por migalhas.

    ResponderExcluir
  27. 1) pensei em ir a minha faculdade pedir o dinheiro todo de volta, pelo meu diploma que agora é furado

    2)Funcionarios fantasmas existem em todos os setores. espíritos de porcos, que querem sugar dinheiro publico sem mexer o dedo. Ou pior, só mexendo os pauzinhos

    3)pra piorar a situaçao da classe, existe um numero incontavel de maus profissionais de jornalismo atuando por aih.

    4) ainda bem que larguei o jornalismo e hoje trabalho com turismo... hehehe

    Beijo.

    Estou de voltaaa. Ou nao. Ai. rsrs

    Dani Uzeda
    http://daniuzeda.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  28. Wander, falaram que nós éramos o 4º poder e alguns acreditaram!

    Daí, há pouco, abaixaram a bola da profissão, do nosso mercado e ,principalmente, dos profissionais...

    Então estamos todos atordoados, sem parâmetros e alguns (apenas alguns) estão perdendo os limites também.

    Banalizaram a profissão, agora paguem a conta da banalização da ética - matéria que estudei dois períodos na faculdade, mas que ora é dispensável, segundo o STF.

    ResponderExcluir