#CaféConvidado: Será que o livro impresso será substituído pelo e-book?

novembro 23, 2018

Crédito: UOL/Reprodução. 

Na seção Café Convidado desta semana, o book advisor Eduardo Villela fez uma análise sobre as mudanças do mercado editorial brasileiro que está oferecendo, cada vez mais, um produto multiplataforma no qual o livro impresso e o conteúdo online possam ser complementares e não um imperativo de que um irá substituir o outro, necessariamente. E essa mudança de comportamento do leitor interfere diretamente no modo de produção dos autores e de distribuição das editoras. Abaixo, confira o artigo completo:

O livro impresso será substituído pelo e-book?

*Eduardo Villela

A realidade atual é que o leitor consome conteúdo nas mídias impressa, áudio e digital por meio dos dispositivos livro, revista, notebook, tablet, smartphone e e-reader. A tendência é que haja uma complementaridade entre as mídias e não uma substituição de uma por outra.

Por exemplo, há ótimas editoras no país que oferecem ao leitor o livro impresso integrado a um site com uma variedade de conteúdos extras, como vídeos, planilhas, simuladores, jogos, textos complementares, cases etc, ou seja, trazem ao leitor um projeto de conhecimento/entretenimento no qual duas mídias estão integradas em plena harmonia.

Além disso, é crescente o número de editoras que oferecem a versão digital do próprio livro. O e-book é um novo mercado para as editoras. O número de editoras que disponibilizam a versão digital de seu catálogo é crescente.

O livro digital e o livro impresso conviverão por muito tempo e a tendência é que o consumo de um impulsione a venda do outro. Aliás, não acredito que o livro impresso desapareça.

O que poderá acontecer, após vários anos ou mesmo décadas, é a venda do livro digital superar a do impresso em receita. Levará um bom tempo para isso acontecer por algumas razões:

- O livro impresso apresenta um formato universal cuja experiência de leitura é agradável e funcional – em qualquer lugar do mundo, o livro impresso é igual, você pode dobrar as páginas, fazer anotações, guardá-lo em sua mochila/bolsa e carregá-lo com facilidade e segurança.

- Não temos ainda um formato universal e uma experiência de consumo agradável para o livro digital. O conteúdo digital em texto ainda é estático e pouco interativo com outros formatos em áudio e vídeo.

- Com o crescimento da expectativa de vida, temos várias gerações vivas que interagem com o conteúdo de diferentes formas. Há gerações que preferem o livro impresso pelo seu aspecto tangível.

O preço dos e-readers, tablets e smartphones é ainda pouco acessível aos brasileiros, a tecnologia de luminosidade para leitura nesses dispositivos precisa melhorar e a infraestrutura de banda larga no país é deficiente, com um acesso à web lento e caro.

Acredito que em alguns anos o livro digital será completamente diferente do de hoje. Ele proporcionará ao leitor uma experiência muito interessante de interação com o conteúdo em vários formatos (texto, áudio, vídeo, animações) e em tempo real.

Além disso, o leitor assumirá o papel de "prosumer", sendo ao mesmo tempo um coprodutor e consumidor do conteúdo. Portanto, para as editoras, o livro digital é um novo mercado que ajudará a fortalecer o hábito de leitura no país.


________________________
*Perfil: Eduardo Villela é bacharel em Relações Internacionais pela PUC-SP e mestrado em Administração pela mesma universidade. Possui 14 anos de experiência no mercado editorial brasileiro e já trabalhou diretamente na publicação de mais de 500 livros em importantes editoras. Atualmente, trabalha como book advisor e, por meio de assessoria personalizada, ajuda pessoas a escreverem e publicar suas obras. Outras informações em: www.eduvillela.com





Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, siga a company page no LinkedIn, circule o blog no Google Plus e assine a newsletter.






Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

0 comentários