Obituário – Dona Canô: despedida e a nova Terceira Idade

dezembro 26, 2012



“Ninguém pode viver sem amor, sem festa e sem devoção”. Esta era uma frase de Dona Canô, uma mulher de fibra, nascida e criada no recôncavo baiano, na cidade de Santo Amaro da Purificação, na Bahia. Claudionor Viana Telles Velloso, 105 anos - mas conhecida como Dona Canô, morreu nesta terça-feira (25/12), na casa dela, ao lado de amigos e familiares, na manhã de Natal. Ela teve oito filhos – entre eles Caetano e Bethânia. Clique aqui e veja a repercussão no meio artístico.

A frase que abre este texto é de citação de Maria Bethânia, durante uma entrevista ao programa Viver com Fé, de Cissa Guimarães, no canal GNT, onde ela fala com muito carinho da mãe. É uma frase tão forte e impactante, que virou título de um álbum lançado por Bethânia em 2010 que marcava os 40 anos de carreira da cantora e era uma homenagem linda à Dona Canô.

Por coincidência, no final de semana, antes mesmo de Dona Canô ter falecido, ela tinha virado pauta [na minha vida] de uma maneira bem particular. Coincidiu de eu ver a entrevista de Bethânia no Viver com Fé e o documentário “Pedrinha de Aruanda”. Desse modo, a história de Dona Canô ficou muito forte na minha cabeça. Pelo noticiário, eu vi a alta dela do Hospital na sexta-feira passada e, como muitos brasileiros, acreditei que ela já havia melhorado.

Na verdade, após ler as matérias publicadas a respeito da sua morte, vi que ela havia feito o pedido para ir para casa, junto aos seus. Achei isso forte, principalmente porque a “partida” dela se deu no Natal. É uma data simbólica. A notícia do falecimento dela mexeu comigo. Travei. Não consegui escrever nada na hora. Lembrei da perda da minha avó materna e o quanto isso mexeu comigo. Não é fácil....

Bato palmas para as pessoas que passam pela vida e vivem de forma intensa por tanto tempo. Que deixam legado. Que construiu toda uma família, que viveu [e vive] tantas histórias. Um pouco mais de um século de vida não é para qualquer um: é só para vencedores! Dona Canô não era só a mãe de filhos talentosos, ela tinha a sua história e mostrou Santo Amaro para todo o Brasil.

Creio que Dona Canô é representante de um novo modelo de idosos que vivem plenamente [e ativamente] todos os seus prazeres e limites da Terceira Idade. Que é não só aquela avó [e mãe] acolhedora, mas também uma mulher vaidosa, que trabalha e tem os seus compromissos. Quem me dera viver assim por tanto tempo! Ver que as sementes que plantei viraram raiz, galhos, ramos, folhas e frutos. Ensinamentos. O legado continua e a história abrirá apenas um novo capítulo: não terminou. Força e fé!



Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.




Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

2 comentários

  1. Ei querido. Lindo isso que vc escreveu sobre a Dona Canô. Uma das homenagens mais bonitas que li na internet sobre a partida dela. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Francisco Bertoletta27 de dez de 2012 15:20:00

    O que mais admiro a Dona Canô é a liberdade cultural que ela criou filhos tão talentosos. Como você mesmo disse, chegar a essa idade que ela chegou não é para qualquer um mesmo.

    ResponderExcluir