Chuva em Minas Gerais deixa mais de 40 cidades em situação de emergência

janeiro 02, 2012

Prédio de dois andares desmorona no bairro Caiçara, em Belo Horizonte.
Foto: Renato Cobucci / Jornal Hoje em Dia.
 

O ano de 2012 mal começou e a forte chuva que castiga Minas Gerais, desde a segunda quinzena de dezembro, parece não dar trégua. Rios transbordados, avenidas alagadas, enchentes, desabamentos e casas e prédios em situação de risco. O estrago não é só material. Muitas famílias mineiras, já começaram o ano sem ter onde morar. Clique aqui para ouvir a matéria do jornalista Rodrigo Freitas, da Rádio Band News FM BH, sobre a tragédia das chuvas na Zona da Mata mineira.

No final da tarde desta segunda-feira (02), a Defesa Civil informou que subiu para 46 o número de municípios mineiros em situação de emergência. O boletim mais recente afirma que as cidades de São João Evangelista – na região do Vale do Rio Doce, e Ibirité na Grande Belo Horizonte, entraram na lista de cidades gravemente afetadas por problemas ocasionados pelo volume de chuvas. Até o fechamento desta edição, 9.635 pessoas estão desalojadas, 404 desabrigadas e foram contabilizadas quatro mortes.

Veja também:

Ainda, na madrugada desta segunda-feira (02), um prédio desmoronou no bairro Caiçara, em Belo Horizonte. Um homem de 46 anos morreu e uma mulher foi resgatada com diversos ferimentos. Outros 11 moradores dos apartamentos conseguiram sair a tempo do prédio, que no ano passado foi vistoriado três vezes pela Defesa Civil. Veja mais detalhes abaixo, na reportagem de Diego Bertozzi, da TV Globo Minas:

E a forte chuva que atinge boa parte de Minas Gerais e, mais precisamente, a Região Metropolitana de Belo Horizonte, deve dar uma trégua nesta quinta-feira (05), mas o período chuvoso ainda permanece durante todo o mês de janeiro.

Para você ter uma ideia, somente da meia noite de domingo às 16h desta segunda-feira (02), choveu em Belo Horizonte mais da metade esperado para todo o mês, segundo a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). O volume de chuva na Grande BH superou a média histórica dos últimos 100 anos. Foram 720 milímetros de precipitação, ultrapassando a marca de 1987 quando foram registrados 684 milímetros.

Opinião

Entra ano e sai ano, a mesma coisa. No mês de janeiro, a Região Metropolitana de Belo Horizonte paga um preço alto pela urbanização desenfreada e a falta de planejamento técnico para a contenção de enchentes, alagamentos, deslizamentos e qualquer outra tragédia. Graças a Deus, temos uma Defesa Civil atuante, mas que dificilmente conseguirá resolver tudo sozinha. 

Falta um trabalho de conscientização na população, mas ao mesmo tempo, é necessário um start do poder público para que a história não se repita todo ano. 2012 é um ano de eleições municipais. Quem sabe não é a hora dos belo-horizontinos elegerem melhor os seus representantes, tanto no executivo, quanto no legislativo? Pesquisar quem realmente trabalha (e quer trabalhar) por BH. O futuro da cidade estará, em outubro, literalmente nas suas mãos. Pense nisso.



Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, curta a Fan Page no Facebook, circule o blog no Google Plusassine a newsletter e participe da comunidade no Orkut.




Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

3 comentários

  1. Francisco Bertoletta2 de jan de 2012 21:29:00

    Wander, tenho acompanhado as notícias da Chuva em Minas e fiquei bastante preocupado. Se já chove há mais de um mês, é hora das autoridades repensarem o que é melhor para a cidade. Do jeito que está, sei não....

    ResponderExcluir
  2. Trabalhei o dia toda e ainda não tinha visto a repercussão da Chuva nos noticiários. Vi agora pelo seu artigo. Cortei um dobrado hoje na hora do almoço no anel rodoviário...BH precisa de um plano melhor para conter as chuvas.

    ResponderExcluir
  3. O que me revolta é que chega o periodo entre dezembro e fevereiro, e a história por várias regiões do país se repete: essas fortes chuvas destruindo casas, familias, e provocando inumeros transtornos. As mesmas cenas todo ano.

    Planejamento urbano, consciencia ambiental e medidas preventivas. Se há anos os responsáveis seguissem essas palavras, muito do que vemos por aí jamais teria acontecido.

    Tomara que esse periodo de chuvas passe logo. No caminho da Fernao Dias, vi muitas fazendas com terras alagadas, algumas alcançando até as casinhas dos moradores. É uma pena.

    Abçs!!!!
    http://blogpontotres.blogspot.com/
    2012: Start (recomendo ler, até porque, vc também faz parte daquelas linhas)

    ResponderExcluir