A Fazenda 4 – Impressões de um Jogo que começa a se desenrolar

julho 30, 2011



Discussões, brigas e muitos, mas muitos desafetos. Nesta quarta edição de #AFazenda, ao que parece, a produção do programa quer que o reality se resuma apenas a isso. Tudo bem, o conflito é a base de qualquer roteiro, mas não deve ser o único ingrediente. Prova disso é que a própria Record ainda tem uma certa dificuldade em produzir a “novelinha” diária dos peões.

Muitas vezes, algumas histórias ficam soltas ou nem são contadas. E não adianta apelar para a transmissão ao vivo 24h no R7. A produção faz questão de cortar o áudio quando uma conversa é mais reveladora ou há indício de um bom material para a edição da TV aberta. Ao invés de ter a internet como aliada, a Record queima um produto que tinha tudo para ser um sucesso. Complicado!

E os atropelos não param por aí: mesmo na quarta temporada do programa, o apresentador Britto Jr. ainda não encontrou o tom certo. Ora se mostra entrosado com os participantes e empolgado, ora alheio e indiferente. Sem contar que é notório a dificuldade dele de explicar as regras das provas e do próprio Jogo de Confinamento. Assim fica difícil! Não adianta ficar indiferente as críticas, pois isso é algo dito deste a primeira edição, tanto por jornalistas, quanto por blogueiros.

Por outro lado, a produção conseguiu um progresso interessante para @fazendarecord. As provas do Desafio Semanal tem um peso maior no Jogo e deixam os participantes numa verdadeira sinuca de bico, pois é quase impossível pensar numa estratégia individual para se manter na disputa. Ao mesmo tempo, vale lembrar que no final das contas, só haverá um vencedor.

No quesito audiência, a imprensa paulista tem sido um pouco dura, mas não deixa de ter razão. Em São Paulo, #AFazenda4 anda patinando na audiência e aparenta sofrer rejeição. Na noite da primeira eliminação, o reality rural 11 pontos no Ibope - cada ponto corresponde a cerca de 60 mil domicílios na Grande São Paulo. Na média nacional, a atração está com 14 pontos e tem potencial para dar mais, só falta um pouco mais de “maldade” da produção em saber tocar o barco. Está faltando intervir mais para por lenha na fogueira e não deixar o reality show virar uma colônia de férias no campo. Confira, abaixo, algumas impressões desses primeiros 11 dias de exibição do programa:

  • A maior parte do telespectador de #AFazenda4 ainda não aprendeu a votar. Eliminou, novamente, como na edição anterior, um participante polêmico na primeira semana. Trata-se de Renata Banhara, auto-intitulada de “personalidade de mídia”. Tudo bem que Banhara não é flor que se cheire, mas ela era um tipo de participante que não pode faltar em um reality show: aquele que gosta de bater de frente com os outros e adora um mexerico. Será que não vale uma repescagem no meio do programa?
  • Falta mais maldade da produção de #AFazenda4 para interferir no Jogo e não deixar que os participantes polêmicos saiam. Que tal fazer provas valendo imunidade e veto do voto do fazendeiro? #FicaADica
  • Por um outra lado, ponto para a produção que criou a nova regra de colocar dois participantes na Roça que perderam o Desafio Semanal, um indicado pela Casa e outro pelo fazendeiro da semana. Colocar os possíveis eliminados para disputar o próximo fazendeiro (líder) vai exigir intelecto dos participantes, pois ao mandar alguém para a possibilidade de eliminação, ele pode voltar imunizado e como fazendeiro. Boa sacada!

  • A volta de Monique Evans foi outro grande barato. Mais esperta, Titia conseguiu segurar as pontas por quase uma semana. Mas na edição dessa sexta-feira (29/07) ela resolveu colocar a boca no trombone e falou umas verdades. O Jogo começou para valer!
  • E por falar em Jogo, Joana Machado e François são outros destaques de #AFazenda4. Participantes que tinham para serem as samambaias da edição já colocaram as garrinhas de fora nos primeiros dias. Muito bom! Acredito que eles são os únicos ligados na mecânica do Jogo de confinamento e já estão se revelando bons estrategistas. Tem tudo para serem considerados pelo público como vilões, mas na verdade eles são bem espertos. Constroem alianças, mas fazem jogadas individuais. Está interessante!
  • Pelo fato da divisão dos grupos ter sido feito um pouco mais tarde em relação à edição passada – e ainda ter sido arquitetada por participantes que poderiam entrar ou não no Jogo, as equipes foram pensadas (em alguns casos) sem levar em conta alguns laços de afinidade e de força.
  • A divisão das equipes ficou da seguinte maneira.
Grupo Avestruz = Dinei, João Kleber, Thiago, Valesca e Gui.
Grupo Ovelha = François, Marlon, Joana, Duda e Ana.
Grupo Coelho = Taciane, Raquel, Cumpade Washington, Monique e Renata (elimianda).
  • Por conta dessa divisão, alguns participantes estão ignorando as equipes e insistindo nas afinidades particulares. Isso promoveu uma desunião generalizada entre as equipes e aumentou ainda mais o conflito individual. Mesmo alguns participantes se recusando a jogar em grupos, isso pode ser bastante perigoso nessa primeira fase que vale o prêmio de R$ 500 mil.

  • Por afinidade, já existem outras divisões que está rendendo boas histórias:
- Monique jogando sozinha e vendo o circo pegar fogo. Está com a maior pinta de #DouradoFeelings;
- Joana, Duda, Raquel, Taciane e Valesca formando o Clube da Luluzinha;
- João Kleber fazendo o papel de “gerente de boteco”, sempre querendo se meter em tudo;
- Dinei e Cumpade Washington fazendo a linha misógina;
- Dinei achando que é alegria da edição, quando na verdade é visto como chato;
- Cumpade Washington e Raquel Pacheco se isolaram e resolveram ser as samambaias da edição;
- Detalhe: ninguém agüenta mais o ronco do Cumpade Washington e ele ficou chateado por ter sido cutucado à noite. Será que ele não se toca que é ele quem está incomodando e pode virar motivo de voto no futuro?
- Por falar em Washington, Joana me ganhou quando colocou ele em seu devido lugar ao tratar com pouco caso o fato de Raquel ter passado mal por conta da pressão alta e bebedeira na primeira festa.
- François, Gui, Marlon e Thiago são do Clube do Bolinha e estão preocupados com a união das mulheres, mas são não querem assumir que pretendem combinar votos. Duvido!
- Ana está tentando fazer a linha amiga de todo mundo. Mas, em alguns comentários, já colocou as “manguinhas de fora” e se mostra como uma Jogadora atenta;
- Gui declarou que não gosta da voz da Monique. Mas nós aqui de fora sabemos que o real motivo foi o fato da Titia apoiar Janaína Jacobina na edição passada, quando ela revelou que foi agredida pelo ex-namorado (Gui Pádua) e que ele era uma pessoa violenta.
- Gui já bateu de frente com François, apesar da afinidade. Se permanecerem por mais um tempo no programa, acho que ainda vai rolar uma briga mais séria entre os dois. Por ora, ambos estão se segurando...
- Joana Machado (musa da edição), está se mostrando uma excelente jogadora. Inteligente, ela já se ligou que não vale a pena comprar briga das amigas, nem bater de frente sempre.






Gostou do Café com Notícias? Então, siga-me no Twitter, assine a newsletter e participe da página no Facebook e da comunidade no Orkut.







Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

3 comentários

  1. Cara, gostei da sua análise de A Fazenda 4. Assisto o programa de vez em quando, mas ainda não estou sentindo as pessoas comentando muito como aconteceu na temporada passada. Pelo menos nesta edição não tem tantos apagadinhos...hehehe.

    ResponderExcluir
  2. Não sei o que esse povo anda reclamando de A Fazenda 4. O programa começou não tem um mês e já querem que ele esteja pegando fogo...rs. Eu estou gostando do Jogo e acho que essa edição ainda vai nos surpreender.

    ResponderExcluir
  3. Adorei ler a sua análise de A Fazenda 4. Sou #TEAMJoana...me identifiquei com ela e com a postura verdadeira dela dentro do Jogo. Tb gosto da Titia Monique, mas ela está dando um rompantes muito louco até agora...ela precisa se encaixar em algum grupo por afinidade pq se não vai morrer na praia outra vez. Parabéns pelo blog! Beijos

    ResponderExcluir