O show da notícia e os critérios de noticiabilidade

março 06, 2009


A notícia é um organização de conteúdo informativo para um determinado veículo e que segue orientações que vão de critérios previamente decididos pelo meio de comunicação, pelo produtor dessa notícia e o público consumidor dessa produção. Dentre os vários acontecimentos que podem virar notícia, a seleção deles é uma tarefa que prima pelos critérios de noticiabilidade utilizados em cada mídia, seja ela TV, rádio, revista, jornal, blog ou site. Mário Erbolato e Mauro Wolf, dois pesquisadores em Ciências da Comunicação, muito conhecidos no meio acadêmico por publicarem livros e artigos sobre Teoria da Comunicação, dão amplo destaque aos critérios de noticiabilidade na produção noticiosa em suas obras, por meio de postura reflexiva e científica - o que é uma dica de leitura obrigatória para todos que produzem conteúdo, tanto de forma amadora ou profissional.

No último post do Café com Notícias, intitulado de Jornalismo se aproxima do drama na hora de noticiar, muitos leitores do blog, na parte de comentários, lançaram questionamentos a cerca dos critérios de noticiabilidade (veja o quadro, logo abaixo). Claro, isso é um tema que não só faz presente na vida dos jornalistas, mas dos leitores - e, principalmente, dos blogueiros que também produzem conteúdo. Wolf, um dos autores que mencionei acima, fala que para um fato e/ou acontecimento ser transformado em notícia este deverá ter impacto e utilidade para o público. O que ele quer dizer é que nem sempre uma tragédia ou um fait-divers (fato inusitado, à grosso modo), necessariamente podem virar uma notícia. A seleção noticiosa é algo que sege outros critérios, principalmente o seu impacto em relação à sociedade, pois em mídia eletrônica (TV, Rádio e Web), a tendência de falar para um público leigo e diverso, é muito maior.

O leitor Renan Barreto, neste post que mencionei, fez a seguinte pergunta, dentro do seu comentário: "o que é mais chamativo: carro desgovernado bate em mureta da ponte rio-niterói ou carro passou pela ponte sem mais problemas?". A minha resposta é que essa noticiabilidade do fato depende do veículo de comunicação em si, pois as duas manchetes podem ser chamativas ou não. Para o jornalismo hard news, viciado na sala de imprensa da Polícia Militar e/ou Bombeiros (local onde se publica sugestões de pauta da editoria policial), isso pode até ser. Mas, independente da proposta do veículo, cabe ao jornalista ir além do fato e pesquisar assuntos relacionados a ele para que a notícia alcance a atenção do público. O que quero dizer é que tudo pode virar notícia - mas que depende da proposta de cada mídia e da sagacidade do jornalista de ir além da notícia, pois grandes matérias sempre nascem através desse exércício.


Dessa modo, notícia (ou conteúdo informativo) pode ser qualquer assunto que desperte interesse do público. Qualquer assunto mesmo, sem distinção. O que vale para um fato e/ou acontecimento virarem notícia é o seu apelo perante o público consumidor desse conteúdo. Claro, tragédia chama atenção. Não vou ser hipócrita. Mas uma prestação de serviço, uma dica que poucos conhecem, uma reflexão sobre um determinado assunto, um ato altruísta ou uma interessante seleção de fotos/imagens também podem virar um conteúdo que chame atenção do púiblico.

O trabalho de selecionar assuntos, é tão importante quando o de produzir. Acompanhar portais de notícia, ler blogs, participar de redes sociais, ler revistas, jornais, acompanhar outros programas de rádio e TV, conversar com os populares na rua, ouvir sugestões do público, observar os assuntos que estão em destaque nas principais rodas de conversa dos seus amigos. Tudo isso é importante na hora de marcar um assunto como noticiável, pois a notícia só ganha ascenção se ela for de interesse social e ter o seu caráter de novidade. De uma forma ou de outra, o público também é responsável pelo conteúdo que elege como popular (ou sucesso). Na nutrição, há um ditado que fala que somos aquilos que comemos. Adaptando para a Comunicação, a mídia produz aquilo que o público quer ver.



:: Mais Café, por favor!






Essa semana eu volto com mais Café com Notícias.


Jornalista

--------------------------

PROMOÇÃO CULTURAL TOP COMENTARISTA

O Café com Notícias premiará, uma vez por mês, em forma de homenagem, o comentarista mais assíduo do blog e que faz do seu comentário um momento para uma troca de idéia inteligente e elegante. Participe! Seja um comentarista top, não só aqui no Café, mas em toda blogosfera. Fique atento a distribuição de pontos e as regras, boa sorte. Clique aqui para saber os detalhes e o regulamento dessa promoção.

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

28 comentários

  1. fantastico esse seu blog..

    não tem outra palavra..seus posts são mto bem escritos..
    seu blog sem duvida ta entre os 10 na minha lista!

    é isso..continue com seu conteudo perfeito.

    abraço

    ResponderExcluir
  2. ôpa!
    já tinha ouvido falar desse blog.
    gostei do post e de toda temática do blog. demorei um pouco pra comentar porque estava lendo outras coisas dentro da pagina.

    só uma coisa... como seu blog trás bastante informação, recomendo um blog de 3 colunas e se você conhece alguém que trabalhe com layouts, seria legal se tivesse um só pra você. Exclusividade é bem bacana nessas horas e nesse tipo de blog.

    No geral, gostei muito e devo voltar aqui. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Mto interessante essa postagem, principalmente pra mim q tenho grande interesse nesta área de comunicação e jornalismo.
    Através de seu blog, consigo ter informações claras e objetivas sobre o que realmente significa jornalismo.

    Valeu!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Mas aí é que está. Questiono muito o papel da imprensa atualmente. No quadro "fatores principais que influenciam na qualidade da notícia" tem o item "relevância", que eu acho que deveria estar, se não em primeiro lugar, mais destacada.

    Um exemplo: o senador Jarbas Vasconcelos deu declarações contundentes sobre corrupção no PMDB e na política em geral. Talvez pelo fato da proximidade do carnaval, hoje ninguém mais lembra do que disse o senador. A imprensa ganhou uma pauta "de presente" para explorar e nada - e olha que o assunto é pra lá de relevante, afinal é corrupção, envolve dinheiro público ( e o Gilmar Mendes ainda diz que está interessado em saber o destino de dinheiro público para movimentos sociais).

    Outro exemplo: as escolas públicas do país estão em frangalhos, os professores mal pagos e são humilhados todos os dias na sala de aula. O Jornal da Record mostrou uma série de reportagens nesta semana sobre a educação no Brasil. Ponto pra emissora do bispo Macedo. Mas isso não é o comum, afinal educação pública nunca mereceu maior atenção - salvo se um aluno tomar um tiro na porta da escola. O comum na imprensa hoje é noticiar sobre a crise e crimes bárbaros, além do "jornalismo de futilidades". Acho que a imprensa afastou-se do povo, afastou-se justamente dos itens "proximidade" e "relevância". Toma partido claramente em algumas situações ( crise superdimensionada, por exemplo) e em muitos casos vive no "ctrl c + crtl v".

    Relevante é esse texto que você trouxe e que é bastante interessante para fomentar um debate. Parabéns pela iniciativa! abs!

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente, eu ainda tenho dúvidas se a mídia realmente produz o que o público quer ler, ou se o público brasileiro ainda é preguiçoso, e na sua maioria aceita tudo sem maiores obstáculos, porque assim é mais simples.
    E assim somos manipulados, ou somos bombardeados com sentimentos que não são nossos.

    ResponderExcluir
  6. Tem surpresa pra você lá no Circo da Notícia!

    ResponderExcluir
  7. talvez o que realmente o que prenda o leitor a noticia é o sensacionalismo empregado na notícia, de como alguns jornalistas transformam noticias fúteis em repercussão nacional.

    o caso Eloa ficou mais de mes na mídia, sendo que todos os dias acontecem muitas mortes mais catastróficas que a mesma.
    o que influencia mais nessa questao ?

    ResponderExcluir
  8. uauuu
    nossa d++
    vc sabe d td e coloca d um jeito legal d se ler

    se puder
    http://sonabrisa.nomemix.com/

    ResponderExcluir
  9. Wander, o que você diz quanto ao trabalho faz sentido, mas ainda assim, não sei se condiz com a realidade da maioria dos meios de comunicação de hoje.

    Acho que o sensacionalismo impera, não só nos meios tradicionais. ;)

    A reflexão é boa (o papel do público).

    Talvez os blogs que trabalham dentro de um nicho específico consigam fugir um pouco disso, mas na sua grande maioria (infelizmente) o sensacionalismo faz parte. ;)

    Não sei de muita coisa, mas sei que você tocou num ponto onde tem muita coisa para ser discutida e principalmente reavaliada.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Juliana Alencar Moreira7 de mar de 2009 11:27:00

    Oi, Wander. O sensacionalismo é um critério de noticiabilidade triste da nossa imprensa. Não falo de todos os veículos, mas o que vemos na mídia comercial é só isso: tragédia atrás de tragédia. Também acho que o público tem um papel decisivo nesse processo. A medida que há demanda para outras pautas, os veículos serão obrigados a repensar a sua qualidade. Parabéns por mais essa aula de jornalismo ético e competente.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. A parcialidade e a dramatização estragam a integridade da informação, porém as tornam mais palatáveis...

    ResponderExcluir
  12. Caro amigo Wander Veroni!

    Eu acho que os critérios de noticiabilidade ensinados na faculdade estão ficando cada vez mais só na teoria, viu!

    Na prática tá todo mundo atirando para todos os lados. Na ânsia de preencher as páginas de jornais e revistas e de ter o que colocar nos telejornais, os jornalistas estão simplesmente abandonando os critérios de noticiabilidade e colocam qualquer coisa.

    O trem tá tão feio que uma equipe da TV Alterosa de BH foi à Betim fazer uma matéria sobre um menino de dois anos que saiu de casa sozinho e andou dois quarteirões até ser encontrado por um PM.

    Se a matéria fosse voltada para cuidados que os pais devem ter para evitar acidentes, raptos, etc, até seria aceito.

    O problema é que noticiaram que o garotinho havia fugido de casa. O verbo fugir é bem diferente do sair, concordam?

    Quando li a manchete imaginei...um menino com uma bolsinha fugindo de casa. Até pensei...as crianças estão precoces mesmo. Ele deve ter tomado um tapa e resolveu seguir a vida sozinho por aí. Ri até!

    Só que ao assistir a matéria vi o tanto que forçaram a barra. Na verdade o menino encontrou o portão aberto e foi pra rua. Caminhou pelo passeio e foi encontrado por um policial que imediatamente acionou a equipe de reportagem, que provavelmente sem ter o que fazer, foi pra lá forçar a matéria.

    Se os critérios fossem seguidos isso jamais seria uma matéria porque se trata de algo comum. Que criança não sai de casa se o portão estiver aberto?

    Além de ter esquecido dos critérios de noticiabilidade o produtor ainda não teve criatividade, pois poderia ter levado pro lado de orientação aos pais.

    É preciso repensar muita coisa...os critérios não foram criados por acaso. Acho que não devemos nos prender só a eles, porém é preciso abandonar a idéia de que tudo é notícia.

    Ótimo post...bjos

    ResponderExcluir
  13. Com certeza, depndendo do meio de comunicação a informação dever ser modelada pra se encaixar ao público.

    Grande abraço

    http://ccdodia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Super interessante seu blog!
    realmente vale a pena dar uma olhada de perto xD~

    ResponderExcluir
  15. Depois de ler um blog como este, fico muito feliz com os elogios que você fez ao meu texto.Respondendo a sua pergunta: não, eu não sou e nem estudo jornalismo (mas pretendo).

    Ótimas postagens as suas. Textos repletos de coisas interessantes. Voc~e é o primeiro jornalista-blogueiro que vejo comentar sobre o próprio jornalismo. Parabéns mesmo! Está na minha lista de favoritos! Sempre passerei por aqui!

    ResponderExcluir
  16. Opa,acho que outro comentário esqueci de logar com a conta certa rs.
    Eu tenho mais ou menos a mesma opinião que o Luiz frança comentando ali em cima,eu acredito que a Mídia publica aquilo que ela sabe que o puúblico gosta e o que vai vender,se aproveitando realmente desse ponto fraco dos leitores e telespectadores de se deixar ser alienado ,não impor suas vontades e dizer " Não,eu não gosto disso e não está bom assim pra mim",acontece completamente o contrário,o publico não sabe ter voz,se acomoda com qualquer coisa e aceitam o que tentam jogar quela a baixo pra eles,ainda engolem e dizem que está uma delicia,talvez o nivel cultural inflêncie?Sim,talvez sim mas ai é que está,a midia poderia ser uma fonte pra tentar virar esse jogo e tentar mudar um pouco o padrão anti cultura que sofremos no nosso pais,tentar educar as pessoas de uma outra forma para que conheçam outro tipo de coisas,coisas de qualidade,de bom gosto ,mas não é o que acontece,não estou generalizando mas é dificil encontrar algum programa que trate de algo realmente legal e útil,uma revista ,um jornal, enfim,sei que existem sim coisas legais,mas é pouco divulgada, e as pessoas muitas vezes não tem informação sobre aquilo.
    Mas muito legal seu blog viu?muito bom mesmo,adorei,voltarei sempre que eu puder pra continuar acompanhando.

    Até mais

    Daya

    ResponderExcluir
  17. Compadre, isso é pra mostrar que o jornalismo é uma ciência da comunicação, com critérios, técnicas prévia e cuidadosamente desenvolvidas para a aplicação, e ética no hora de transmitir uma notícia. E ainda tem gente ignorante que diz que jornalista não precisa de estudo universitário. Essas pessoas muito provavelmente se tratam com curandeiros, já que um médico sem diploma faria tão mal aos seus pacientes quanto um jornalista na mesma situação, tratando de conduzir a opinião social (lembremos do presidente fabricado e deposto pela mídia, Fernando Collor e da manobra das massas nesse episódio, quantos pais de família não se suicidaram quando a Zélia roubou as economias de todo mundo?).
    Portanto, o teu post é extremamente relevante no sentido de fazer cair por terra falsas crenças sobre a nossa profissão.
    Parabéns por mais uma aula. ; )
    Ah, o artigo da Kica já subiu, tá bom?
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  18. Estudo e trabalho com marketing, mas tenho grande interesse por essa area irmã da minha.

    Parabéns pelo enfoque dado.

    http://mixdefeijaocomarroz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Olá, eu estudei esses critérios de noticiabilidade, fiz 2 períodos na faculdade de Jornalismo, hoje eu mudei de curso, mas ainda dentro da comunicação social, faço publicidade e propaganda. A verdade é essa, a mídia é um comércio!

    www.tutoart.net

    ResponderExcluir
  20. Curti mto o seu blog, foi minha primeira vez nele!!
    Mta informação interessante, revelando um pouco mais dos mistérios que envolvem o mundo da mídia. Sempre tive interesse, mas acabei me voltando pra uma área diferente.
    Quero aproveitar pra perguntar uma coisa blogueiro já pode ser considerada uma profissão?
    Se houve falar muito sobre isso, mas nunca de forma clara o suficiente pra e se um dia, vc que entende, puder me explicar o que e como é um roteiro, eu ficaria grato!!

    Dos meus mtos blogs, se puder dar uma olhada nesse, sua opnião é de muito bom grado.

    www.teuculazarento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. se todos seguissem o q vc escreveu... seria mt bom!!

    ^^

    ResponderExcluir
  22. Querido amigo avassalador... Wander..
    posso atrever-ma a completar com o objetivo do veiculo de comunicação influencia diretamente a noticiabilidade...
    Voce pode encontrar a mesma noticia com diferentes diagramações, linguagens e locais em diferentes publicações...
    De acordo com o publico que quer alcançar a publicação dá mais destacaque a uma ou outra noticia e por ai vai....
    Não acredito em isenção da impressa/jornalismo todos tem algum objetivo a atingir um determinado publico.
    Já estamos seguindo voce! venha nos seguir tb.

    ResponderExcluir
  23. Nossa, agora eu to tendo Teoria da Comunicação na facul... mas tipo naquelas definições de o que é comunicação.

    Uma coisa vc disse é certa: a midia realmente produz aquilo que o público quer ver.

    Abçs!!!

    http://blogpontotres.blogspot.com/

    atualizado hj 08-03

    ResponderExcluir
  24. Ola... Vim aqui, primeiramente, para te indicar a um NOVO selo. Da uma passada la no meu Blog depois para pegá-lo.

    E depois... para aproveitar e responder seu e-mail por aqui msm.

    Bacana algumas pessoas terem ido ao teu Blog por indicação do meu. Diversos leitores seus passaram por lá e elogiaram a entrevista que fiz.


    MUITO sucesso para ti!
    sempre;

    abrss.....

    ResponderExcluir
  25. Aprendi o que são e para que servem os critérios de noticiabilidade pelo Mauro Wolf também. Acho essencial para todo e qualquer jornalista dominá-los e adequá-los a cada veículo. Mais do que isso, creio que pela importância cada vez mais central da imprensa na vida da gente, eles deveriam ser apresentados também nas aulas de interpretação de textos nas escolas. São fundamentais para 'desmontar' o texto jornalístico, entendê-lo e principalmente para não sermos ludibriados.

    um abraço

    ResponderExcluir
  26. Bom dia!
    Vim aqui tomar um cafézinho saboroso e me empanturrei deste post!

    hihihi..

    Bom, não sou da área de imprensa, mas tenho alí, num cantinho da blogsfera, o meu ‘Garota Pendurada’. Sabe, o que faço lá não é um diário, também não é notícia, mas creio que as coisas que escrevo tenham lá usa relevância.

    Ao menos, há uma pá de gente que diz que gosta do que eu faço, então, em respeito aos leitores, tento fazer uma coisa bacana, mesmo de modo tão amador.

    Se eu, que sou uma simples blogueira, procuro fazer isso, por que raios um jornalista formado e culto se contenta a disseminar porcarias?

    Nós estamos perdidos neste mundo de desajustados. É como se as mentes pensantes e seletivas tivessem caído por aqui de pára-quedas. Às vezes acho que pessoas que raciocinam não pertencem a este mundo. Que coisa lamentável!!!

    Kiso!
    http://garotapendurada.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  27. Um professor ja dizia que o título da nóticia era 50% !!!
    Muitas vezes abrimos uma revista ou jornal na página indicada na capa por causa da chamada e percebemos que o conteúdo não era exatamento o que esperávamos...a curiosidade faz parte do homem basta ver a audiência do BIG BROTHER!!!!!

    ResponderExcluir
  28. Bem, a comunicação é sensacional, é uma dádiva de Deus, graças a Ele aprendemos a nos comunicar, é verdade que nem todos sabem comunicar algo da forma que ela deve ser comunicada, mas isto é outro detalhe.
    Noticiabilidade na prática, são uns poucos que sabem de fato empregar esta teoria na prática, a maioria não tá nem aí, apenas grita, achando que a informação é um produto qualquer vendido nas feiras públicas.
    Eu concordo com o Erich do "30 e poucos anos", infelizmente muitos meios de comunicação ainda não sabe comunicar bem as notícias, e infelizmente são muitos rótulos até bonitinhos mas que fundo não necessariamente venha acompanhado de conteúdo.
    "Big Brother" que o diga, e ainda tem gente que vende bem esta idéia, mas isto só ocorre porque infelizmente é o que a massa quer, um rótulo apenas.
    Saúde, paz e sucesso!
    Abraço,
    Jose Moura
    http://www.blogomoura.com

    ResponderExcluir