Blog Action Day 2008 - A maior solidariedade é quando alguém ensina o outro a pescar

outubro 15, 2008

Barriga vazia anúcia a fome. O acesso à higiene pessoal vira artigo de luxo. O prato de comida é a coisa mais importante do dia. O corpo sujo e as roupas desgastadas não são um motivo para abaixar a cabeça. Muito pelo contrário: é preciso ter orgulho e força de vontade para mudar para melhor. E as mazelas não param por aí: falta de saneamento básico no bairro. Ruas sem asfalto. Um fio que "puxa" energia do poste mas próximo para se conseguir ter luz e não ficar no escuro à noite.


Algo básico, como uma fonte de água vem de uma cisterna, cano estourado na rua ou até mesmo de uma bica, no meio de um lote vago, que ninguém sabe a procedência ou se teve tratamento.

Famílias inteiras morando numa casa de madeira e pedaços de ferro improvisada. Crianças correndo de um lado para outro entre esgoto à céu aberto e carros que não respeitam o limite de velocidade.

Por incrível que pareça, essa descrição acima não é de nenhum país africano ou que sofreu um longo tempo de guerra. Estamos falando do nosso Brasil. Ou até mesmo da sua cidade, região ou Estado. A pobreza está logo ali, na sua porta, mas muitas pessoas fingem ou não querem ver.

Todos os dias, pelo menos um veículo de comunicação, traz o relato de alguma família ou pessoa nessas condições. É revoltante ver, numa década de tanto investimento em tecnologia, ainda ter a pobreza como principal cenário social das grandes metrópoles.

Sociólogos afirmam que a pobreza é uma corrente na qual a pessoa precisa ser libertar e, para isso, necessita ter oportunidade. Daí começa todo o debate sobre educação e cidadania para inserir novamente essa pessoa ou família, seja com política públicas, ou dentro da iniciativa filantrópica.


Os mais velhos já diziam, não basta dar a vara, é preciso ensinar a pescar. Talvez, o maior trunfo de combate a pobreza é essa parte do "ensinamento da pesca". Ou seja, você dar dignidade a uma pessoa por meio do trabalho e do estudo.

Na imprensa, usa-se muito o eufemismo de pessoa em risco social para designar indíviduos que estão numa situação socioeconômica à margem da sociedade.

O próprio eufemismo é uma forma diminuir o impacto de chamar alguém de pobre ou que vive em área de constante aumento da criminalidade.

Pois bem, o que quero dizer com isso é que se fala muito que deve-se evitar ao máximo de dar esmolas. Vira e mexe. a imprensa, quando surge o tema, bate nesta tecla. Muitas pessoas, que possuem atitudes filnatrópicas, se sentem constragidas, ou até mesmo contrariadas, quando são questionadas sobre o ato de dar esmola ou doação.

É preciso ter cautela. Há casos e casos, pense bem: às vezes ajudar um membro da família, um conhecido ou alguém que realmente passa uma necessidade extrema, pode não ser só uma ajuda.

Um grande amigo meu e companheiro de profissão me disse uma vez que, durante muitos anos ajudava uma família - indicada por instituição religiosa - com cesta básica e várias atitudes filantrópicas. Com o tempo, ele foi percebendo que as pessoas que recebiam essa doação se acomodaram.

Não procuravam estudar, nem trabalhar, pois sabiam que no final do mês teriam as suas doações em dia. Ele começou a refletir sobre isso e resolveu que não iria mais ajudar esta família desta forma. No início do mês seguinte, ele conseguiu que alguns empresários bancasse a contratação e qualificação dessas pessoas para um trabalho numa importante empresa da capital mineira.


Por incrível que pareça, a família não aceitou a oferta de emprego. Um deles retrucou que é perda de tempo investir em estudo. Trabalho então, nem pensar.

As doações que a família recebia dava para todos viverem. "Se o senhor não quer mais nos ajudar, vamos na igreja e pedir para que outra família nos ajude, moço.

Fora isso, recebo uma bolso do governo não carece de trabalhar. Além do mais eu nem sei ler", disse o homem mais velho da família. Uma situção difícil e triste. Foi a partir daí que esse meu amigo falou que só ajudaria pessoas em risco social que querem ser ajudadas e aprenderem a pescar.

E ele conseguiu. Apadrinhou alguns jovens e adultos para completarem seus estudos e saírem da linha da pobreza. Alguns desses afilhados hoje já estão no mercado de trabalho, ganhando o seu próprio dinheiro e o melhor: com dignidade. Quebraram a linha da pobreza e, provavelmente, o filho ou neto dessas pessoas, será incentivado, no ceio familiar, ao estudo e ao trabalho qualificado.

(In) felizmente quem faz ações de caridade ou ajuda ao próximo não gosta de se identificar. Respeito, pois mostra que o interesse da pessoa é realmente a solidariedade, e não a promoção social. Toda vez que penso no tema da pobreza, essa história me vem à cabeça. Vivemos num país onde o acesso à informação está cada vez maior.

Quem quer sair da linha da pobreza, tendo muita perseverança e força de vontade, consegue. Basta procurar os meios certos de conseguir essa ajuda. Pode demorar, claro. Mas, não é impossível. Já cheguei a conclusão que ensinar a pescar é a maior solidariedade que o ser humano pode ter com o próximo e, dessa forma, ajudá-lo realmente.





Café com Notícias: Blog Action Day 2008 - todos contra a pobreza!



Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

25 comentários

  1. Bom dia Wander!!! Eu já havia "feito minha inscrição" para partipar do Blog Action Day, mas qndo mudei o layout eu esqueci de colocar o banner... mas o meu texto está lá, e obrigada por ter me lembradoo!!!!

    Sabe,
    eu estava pesquisando para fazer esse post e também pedi a ajuda de um amigo e encontrei tanta coisa triste sobre a pobreza. Eu às vezes fico em casa pensando, "como poucos podem ter tanto e muitos terem pouco?" Parece redundante, mas é uma verdade mais que cruel. Eu faço a minha parte, mas sei que é pouco, entende?! É triste ver crianças que envolvem com o tráfico porque não podem estudar, jovens que entram na marginalidade porque não tem oportunidade de mostrar do que é capaz. O fácil é mais prático (outra redundância), mas é verdade... E infelizmente são poucos projetos sociais que existem para isso, é, poucos sim!!
    A fome bate na nossa porta toodos os dias, e enqnto isso restaurantes jogam toneladas de comida fora pq não qr dá apenas um prato de comida para aquele mendigo ou para aquela criança que fica pedindo. É melhor jogar fora?! Por que o brasil desperdiça tanto?! Eu não encontro respostas para as minhas perguntas, então eu quero ajudar de alguma maneira, jamais cruzar os braços, meu caro!!
    Eu achei mto inteligente o seu post (como sempre)!!
    parabéns, e espero vc no meu porto!!
    Adoorei o café, tá?!!
    beijão

    ResponderExcluir
  2. São situações desumanas ...onde não se tem nada e nenhuma pespectiva.. a desigualdade ao estremo..

    Isso revolta .. emquanto tem "cientista" gastando dinheiro a rodo .. com maquinhas de moleculas para saber de onde viemos e não vê ou fingi que não vê, hj estamos aqui ... e muitos precisa só de um pouco de apoio pra viver .. pra comer ..

    Abç..

    ResponderExcluir
  3. E tem tanta gente por ai que ainda reclama da vida!!! Acho que no fundo, a maioria não sabe o que é realmente viver de maneira ruim...

    É triste ver que ainda existe isso no nosso mundo. Um mundo que gasta bilhões para desenvolver uma máquina que imita o big-bang e em publicidade para vender coisas com o iPhone. Falta lógica...

    []'s

    Musikaholic

    ResponderExcluir
  4. Mto boa a reportAGEM, FIZ UM TRABALHO Q POUCO TEMPO sOBRE O assunto. E concordo plenamente cm cda palavra dita. Eo meeio q gosto mto dessa área d reportagem e bla bla bla e meew o mais engraçado d vc ajudar alguém é q vc ajuda a si próprio pq cada vez mais vc aprende cm as pessoas e cm relação ao pessoas acomodadaas a culpa é exatamente das instituições q ajudam [eo particulamente achu assim]
    pensa só a pessoa come, bebe, paga as contas e isso ficando em casa qdo tu acha q ela vai tomar vergonha na kra e começar a trabalhar? nunca neeah achu q a melhor ajudaa q essas instuuições dariam e ajudar essas pessoas mais tentando encaixá-las num mercado onde elas consigam se manter por esforÇO próprio!
    bjins

    ResponderExcluir
  5. hum...

    A depressão financeira que atingi grande parte da população mais pobre do Brasil se torna cada vez maior. É fato as coisas estão ruins e devemos ajudar.

    Mas ajudar como?

    Sempre acreditei que dar 'esmolas' para essa população não levaria a nada, acomodaria os mesmos e continuaríamos com as mazelas sociais que fazem tanto mal.

    Não curto o trabalho tipo 'zorro'. Tirar grana de quem tem para distribuir para os pobres não é a solução.

    Acredito que devemos criar mecanismos que dêem oportunidade para as pessoas se desenvolverem, tanto no aspecto educacional quanto no profissional, bem como o pessoal.

    Mas é comodo deixar as coisas como estão, é fácil, é simples...

    Surgem teorias no minimo, estranhas, coisas como 'o governo não disponibiliza 'evolução' para essa população porque seria mais difícil controla-los, etc.

    Particularmente, não creio nesse papinho.

    Vamos então, agir. Criar oportunidades para que os mesmos consigam viver com o seu próprio trabalho, dar dignidade para os mesmos é a solução.

    Mas o Brasil é o pais do jeitinho, então... Deixa pra lá, não é!

    Abras


    http://visaocontraria.blogspot.com/

    http://minhainspiracao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá Wander!

    Excelente abordagem sobre o tema! Na minha opinião, não investe-se em educação, que é a palavra chave tratando-se de inclusão social, pelo simples fato de que quanto mais instruído o cidadão é, a tendência dele ser manipulado pelo sistema torna-se menor, ou seja, é de interesse de alguns, manter a população longe do conhecimento, consequentemente, menos crítica.

    http://comideiaseideais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Vim conhcer o seu blog. É ótimo.

    ResponderExcluir
  8. Existe uma legião de pessoas que realmente buscam ajudar mas no anonimato...sem querer status.
    Aqui8 em SP pra ter idéia, nas datas comemorativas os orfanatos e asilos tem grupos marcados para entregar presentes e fazer atividades por 2 ou 3 semanas.

    O mundo bem melhor existe e só depende de nós mesmos e da nossa coragem para encontra-lo.

    ResponderExcluir
  9. Sim, meu amigo, a bandeira que vc apóia é a mais indicada nesse tipo de situação mesmo, a transmissão do conhecimento para gerar dignidade é a mola propulsora do avanço. E que ironia maravilhosa vc levantar essa pecha bem no dia dos professores, não? A categoria que deveria ser a mais respeitada entre todas, afinal de contas, tudo e todos dependem dela, infelizmente neste país, é largada às traças. É o recado do governo: queremos povo burro que não conheça os seus direitos e, portanto, não saiba reivindicar.
    A mensagem que vc deixa é a melhor para este Blog Action Day contra a pobreza e para a data que se celebra hoje: só a educação salva.
    Beijo mais que carinhoso pra vc!

    ResponderExcluir
  10. Wander, tua sensibilidade sempre me comove. Acho que tu tocou exatamente no ponto que me parece esquecido quando se fala do combate à pobreza: a necessidade de garantir uma melhora global na vida do indivíduo em situação de risco. E isso só acontece quando essa melhora é resultado da construção de alternativas que permitam que o próprio indivíduo busque novas condições de vida, é o que vai levá-lo à uma mudança duradoura.

    Tomara que todas as intervenções neste Blog Action Day contribuam nessa difícil tarefa!

    ResponderExcluir
  11. Obrigado pelo comentário!
    adorei o blog
    vc é jornalista? adoro, quero fazer futuramente

    beijos

    ResponderExcluir
  12. Aewww, parabéns dignissimo o texto e nós reclamamos da vida diante de cada futilidade ...
    Abraços

    ResponderExcluir
  13. É revoltante e subumana a situação a que muitos brasileiros são submetidos pela pobreza, e falo do Brasil, pois acho uma realidade mais fáciol de visualizar e de imediato ajudar..
    E o ajudar não apenas no doar alguma coisa, mas em auxiliar a manter a criança na escola, a gerar empregos, a exigir das prefeituras o estabelecimento de saneamento básico nos bairros... Uma ajuda mais voltada ao trabalhar para combater as raízes do problema...
    Só nos impondo e buscando agir para garantir um pouco mais dos Direitos Humanos aos menos favorecidos é que conseguiremos a longo prazo resolver a situação!
    ;D
    Excelente atitude sua!
    ;D

    bjus

    ResponderExcluir
  14. Rapaz... bom post. Mas infelizmente eu sou da teoria do "meu pirão primeiro". A pobreza extrema é uma coisa desumana, está certo. Enquanto muitos passam fome, porcos em brasília ri deles. E de que lado vc preferiria estar? Isso é capitalismo. Isso é política.

    Quanto ao seu comentário no Arroto, discordo quendo vc fala que usei palavras de ódio e racismo numa postagem humorística. Ódio e Racismo são duas coisas que transcedem, e muito, o conhecimento humano. Se vc reprovou uma simples brincadeira que em qualquer discussão em roda de bar tem, imagina o que vc não pensa sobre programas no estilo Pãnico na TV ou CQC. E graças a Deus vc não leu a potagem do "Emo Day", essa sim mais "carregada".

    Mas é isso.. cada um tem a opinião, né? Só me resta escutar. Ou não.

    Abraço e vamo que vamo!

    ResponderExcluir
  15. Filantropia é algo que pra ser bem sincero me assusta.
    Já pus um post tratando justamente desse assunto: minha família colaborava com uma família carente que vivia em função do assistencialismo; falou em trabalho, cada um sumia como se alguém gritasse "PEGAAAA".
    Verdade seja dita: Vivendo de assistencialismo há várias.
    Dispostas a pegar uma vara e aprender a pescar, conta-se nos dedos. Infelizmente.

    ResponderExcluir
  16. A pobreza é um demônio criado e alimentado por mãos humanas...

    Mas você tocou em um ponto interessante. Quando recebemos algo "de mão beijada", sem esforço algum, e pior, de maneira constante, a tendência é realmente não dar valor àquilo.

    Li um livro chamado "Como saí da Microsoft para Mudar o Mundo" em que o autor - um alto executivo da Microsoft que largou tudo em sua vida para se dedicar 100% à distribuição de livros e outras coisas mais aos países ditos de 3o mundo - dizia justamente isso: nenhuma das bibliotecas que sua ONG construía era criada exclusivamente por eles. Sempre a ajuda da comunidade local era considerada condição essencial para a construção.

    Assim, terminadas as obras, por terem participado do processo de criação do local, isso criava uma consciência de preservação que os capacitava a preservar e melhorar, por si só, sua integridade.

    Infelizmente, o que vejo no país é que falta vontade política para a erradicação da pobreza. Tenta-se, quando muito, acabar com a fome imediata.

    Penso que isso tem a ver um pouco com eleição. A falta de educação cria um povo sem capacidade crítica suficiente para enxergar além das promessas populistas e ineficiência generalizada - pra não falar das falcatruas - do poder instituído.

    Por sua vez, miséria cria não apenas uma força de trabalho de baixo custo que interessa às elites dominantes, como os torna mais suscetíveis a aceitarem promessas paliativas de políticos que não resolvem problema nenhum a longo prazo, "só" (e aqui, não posso criticá-los, porque, sinceramente, qualquer um faria o mesmo com a barriga de seus filhos roncando) colocam) colocam alguns restos de comida insuficientes para a nutrição de uma família inteira, mas garante a sobrevivência até a próxima eleição.

    Fecha-se tudo isso com o voto obrigatório, tornando compulsivo o comparecimento das massas que garantem a reeleição da mesma corja que promove esse sistema e...

    Bom, o resto é história.

    Enfim, essa é a minha opinião de leigo sobre o assunto.

    Espero que um dia, possamos andar nas ruas sem olhar, com vergonha de nós mesmos, para os mendigos marginalizados pela sociedade que sustentamos com nosso modo de vida.

    ResponderExcluir
  17. Enqto não houver um pesado investimento nas raízes da Educação no Brasil, infelizmente pobreza será um problema que continuará existindo por gerações e gerações...
    A pobreza é a base do capitalismo desenfreado, e esse não acaba tão cedo... ou nunca!
    Abcs
    http://falandoprasparedes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. estava vendo várias estatísticas sobre este assunto que diziam que a falta de alimentos aos pobres é algo que pode ser acabado em um contrato de alguma grande empresa de alimento.
    Produzimos o suficiente para todo o Brasil, o problema é que não é distribuido de forma igual

    ResponderExcluir
  19. dar o peixe é muito fácil, entretanto há necessidade de medidas mais imediatas também.

    ResponderExcluir
  20. Wander,

    Parabéns pelo blog, colega. Do estilo difícil de encontrar na maioria das comunidades do Orkut - e que sinto falta, confesso: jornalístico.

    Acabou de entrar para meus favoritos.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  21. Oi Wander, blz? To de volta por aqui só pra prestigiar esse espaço.

    (pqp, tinha escrito um comentário tão bonito, o blogspot vai e trava, apagando ele...)

    Bem, vamos lá, concordo com vc. Acho q antes das pessoas terem uma dignidade social, elas tem que tb ter a sua propria dignidade, no sentido de querer sair daquilo mas com a base de sustentação de suas proprias pernas, e nao as maos e o coração dos outros, e mesmo que tiver, q seja até conseguirem sozinhas.

    Abçs!!!!!

    ResponderExcluir
  22. Wander, eu fico impressionado com sua capacidade argumentativa. Realmente demais...
    O Blog Action Day é uma ótima iniciativa, mas o que seria dele se não houvessem pressoas como você, que sabe tão bem expor idéias.
    E além de tudo, tem essa campanha aqui no blog sobre Desaparecidos que pode sim fazer a diferença.
    Parabéns, e vamos à ação.
    All3X

    ResponderExcluir