Supermercados tiram direito de escolha

abril 10, 2008

Todos nós, pelo menos uma vez na vida vida, já fomos ao supermercado fazer as compras do mês da casa. Há algum tempo, já havia observado que alguns produtos nas prateleiras, também chamadas de gôndolas, possuem certa exclusividade de produtos ou marcas - com espaços maiores e lugares privilegiados. Por que uma ou duas marcas mais conhecidas aparecem como opções para os consumidores, sendo que existem tantas outras? Cheguei até questionar isso com os funcionários, apenas como consumidor, mas eles me deram uma resposta evasiva e falaram que o estabelecimento comercial trabalha apenas com esses produtos por eles possuirem melhor qualidade.


No jornalismo, tudo pode virar pauta. Quando falo tudo, é tudo mesmo. Depende apenas da abordagem que se deseja para essa pauta. Ontem pela manhã, como faço diariamente, estava escutando o Jornal da Itatiaia, quando o repórter Eduardo Costa trouxe uma denúncia exclusiva de que muitos fornecedores de pequeno porte estão sendo excluídos dos grandes supermercados, porque existe uma certa cobrança de aluguel de gôndolas aos fornecedores. Inclusive, eles têm que demonstrar interesse em fazer parcerias comerciais na confecção de anúncios na mídia, panfletos, participar de inauguração de novas lojas ou até mesmo com promoções de reinauguração.


A denúncia foi em cheque na dúvida que tinha como consumidor, mas que como jornalista deixei passar. Estava ali, na minha frente e não vi. Imaturidade na profisssão? Não sei. Mas o Eduardo Costa e, conseqüentemente, a equipe de produção da Rádio Itatiaia só chegaram a essa denúncia porque um empresário, que é um fornecedor de pequeno porte, resolveu denunciar o esquema, mas não quis gravar entrevista, nem ter seu nome revelado, por temer ainda mais represália com os produtos que vende.



Ontem à tarde, a Assembléia Legislativa de Minas Gerais, pela voz do deputado estadual Délio Malheiros, que trabalha diretamente com o direito do consumidor, já abriu uma denúncia contra as grandes redes de supermercado que praticam tal ato, pois o parlamentar acredita que esse esquema fere o direito do consmidor de poder escolher outros produtos para comprar. A notícia voltou a ser destaque hoje (10/04) pela manhã e foi repercutida por outros veículos de comunicação também.


Por ser uma matéia de rádio, a denúncia ganhou uma repercusssão viral. Mas o fato é que houve falhas na edição final da notícia. Eduardo Costa é um excelente repórter, não tiro o mérito dele...quem sabe um dia, ainda vou chegar nesse nível jornalístico. Entretanto, para o rádio a matéria ficou enorme, mais de 3 minutos com Eduardo fazendo o Off (fala do repórter), sem colocar um BG (trilha musical instrumental) ou uma sonora (depoimento de um entrevistado). Isso cansa no rádio. Alguns pesquisadores de comunicação falam que o texto de rádio deve ser ágil, porque o ouvinte fica atento apenas por 15 segundos e precisa de uma informação sonora nova.


A matéria ficou grande demais. A maior parte dela com Eduardo Costa falando no seco (Off). Parecia que ele estava lendo um artigo ou um editorial. Por que ele não gravou um depoimento com esse fornecedor que fez a denúncia e modificou a voz dele com aquela voz de pato tão característica quando queremos preservar a identidade da fonte? Por que não houve uma edição desse Off tão grande e deixasse a parte opinativa para o quadro Conversa de Redação - que é um quadro dentro do jornal no qual os repórteres Eduardo Costa, Mônica Miranda e Carlos Viana comentam alguns destaques do dia? Por que não houve o uso de um BG - pelo menos para dar uma quebrada e dividir essa parte da fala ou usar o Off do repórter em duas ou mais partes dentro do jornal?


A melhor parte da matéria foi quando Eduardo Costa conversou com uma secretária de uma grande rede de supermercados sobre o tipo de transação que acontece entre os fornecedores e o setor de compra de mercadorias destes centros comerciais. A entrevista é reveladora e faz parte da investigação jornalística, mesmo que o repórter não tenha se identificado com a fonte - que é uma outra coisa que merece debate e há controvérsias dentro do jornalismo. Tem gente que acha válido, outras acham falta de ética. Mas o fato é que uma boa edição poderia trazer mais brilho para uma matéria tão importante e que traz tantas repostas para a vida dos consumidores.



Essa semana eu volto com mais Café com Notícias.



Jornalista

MAIS CAFÉ, POR FAVOR!

18 comentários

  1. Wander, isso que você colocou é algo sério demais.
    Como já disse anteriormente, sou formado em Rádio e TV e atualmente, pós-graduando em Marketing. E esse assunto de distribuição de produtos nas gôndolas de supermercados já foi tema de um módulo. O que acontece? Quem manda é quem tem dinheiro. O supermercado realmente "loteia" suas gôndolas exigindo do distribuidor uma quantia X por um espaço Y. Isso é padrão para todos os espaços. A diferença é: "quantos Y você quer comprar na minha gôndola?". E tem fornecedores que pagam vários X por vários espaços Y sobrando quase nada para quem pode pagar menos X.
    Agora, pra você ficar nervoso: nós, na pós graduação, aprendemos como negociar um valor "X" para que ele se torne "x" e ainda, ao invés de ganharmos um "y", acabamos ganhando às vezes "YY" ou "YYY".
    Guerra capitalista num mundo globalizado e competitivo é mais ou menos isso.
    E isso não acontece somente nos supermercados não... Acontece até mesmo em jornais. Ou você acha que seu superintendente não "filtra" as matérias que serão publicadas?

    ResponderExcluir
  2. Suspeitei desde o principio!
    infelizmente isso ocorre mesmo, qm deveria decidir se os produtos são de qualidade são os consumidores!
    O pior é quando essas grande redes ainda impedem que outros supermercados se instalem na cidade fazendo lobbie junto ao pode público.
    òtima matéria, parabens pelo blog.

    http://viniverso.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. a merda do dinheiro comanda tudo mesmo né?


    é triste...
    já não sei se temos esperanças de mudar isso e várias outras coisas um dia ainda..

    ResponderExcluir
  4. ótima notícia...

    eu nunca tinha parado pra pensar em tal coisa...

    abraço!

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante.

    Nunca havia pensado em tal coisa.

    Parabéns!

    Abraço!


    www.e-nozes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Isso acontece porque as grandes empresas "compram" espaços exclusivos nas gôndolas. Assim, o mercado ganha na venda e nas ações de marketing. Acho errado também, mas o livre comércio é assim. Isso nunca vai mudar.
    Basta que as autoridades fiquem atentas e fiscalizem os excessos. Mas exigir fiscalização eficiente em nosso país é uma piada.

    ResponderExcluir
  7. mt bom,
    tbm nunka tinha pensado nisos

    ResponderExcluir
  8. Wander, que blog maravilhoso... um dos mais interessantes que vi até agora! Eu sou estudante de jornalismo e realmente: tudo pode virar pauta! Não acredito que seja imaturidade sua, a prática nos faz pensar em pautas com muito mais freqüência. Já aconteceu de dias que eu estive muito inspirada e o meu exercício de observação me fez desenvolver pautas diferentes... por exemplo, falta uma semana para eu entregar uma pauta ao jornal da faculdade e eu ainda não consegui, fazer o q? hahaha...
    A do supermercado é ótima! Vergonhoso o monopólio dos grandes. Dá, realmente, uma excelente matéria!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. É uma forma de mepurrar os produtos para o consumidor.

    ResponderExcluir
  10. muito bom seu blog... layout legal...

    se vc quiser uma parceria e trocar banners...

    www.veiotarado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. sauhsuah realmente..
    sempre tem mais espeçaopraaçguem, ate hj onde eu trbalho...
    tem mais espaço pra algumas certas marcas sauhuhsas

    ResponderExcluir
  12. Agradecemos a visita, e gostariamos mesmo que você voltasse lá.
    Muito Obrigado. :}

    ____________

    Ps: Onde você arruma coisas para o sue blog? Como por exemplo o relógio e o tocador de música! :D

    ResponderExcluir
  13. Realmente, só parei pra pensar nisso quando fui ao mercado precisando uregentemente de um determinado produto, mas lá só haviam um pacote e eu queria a unidade, não havia outras marcas e fui obrigado a levar aquela...

    Parabéns por ter se portado como um jornalista sério e interessado,quem dera a maioria fosse assim...

    Muito bom teu blog cara

    ResponderExcluir
  14. pois e sempre o dinheiro falando mais alto!!!
    e quem perde nesse caso sao os consumidores
    parabens

    ResponderExcluir
  15. essa é a lei dos que tem mais! infelizmente.

    ResponderExcluir
  16. Wander é sempre bo acessar um blog de jornalista.....
    Eu to no segundo ano de jornalismo.......gostei do seu blog, mas assino embaixo o que o euzer lopes falou. Tenho uma pergunta tbm.....o reporter acusou algum supermercado em especial ou se referiu a todos os mercados?

    abraço!

    se tiver tempo acesse meu humilde blog:
    www.locupletado.wordpress.com

    ResponderExcluir
  17. Wander, primeiro agradeço pelo comentário qualificado no meu blog. Sempre é bom quando alguém posta algo realmente relevante.

    Sobre esse post, essa prática é muito comum. Tanto meu pai quanto minha esposa já trabalharam junto a uma grande rede de supermercados e esse "aluguel" de gôndolas é corriqueiro.

    E tem outra: quando uma rede inaugura uma loja nova, os fornecedores se matam para ocupar estes espaços. E, não raramente, a primeira "leva" de produtos é fornecida gratuitamente ao supermercado. Daí, ele faz as tão chamativas "promoções de inauguração".

    abraços

    ResponderExcluir
  18. Putz, nunca tive a IDEIA de pensar nisso
    Belo por,
    Ben

    ResponderExcluir